Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Consumo

- Publicada em 13h30min, 06/10/2020. Atualizada em 13h17min, 17/10/2020.

Arroz e óleo de soja já subiram quase 70% nos supermercados de Porto Alegre em 2020

O arroz liderou as maiores elevações na Capital gaúcha; somente em setembro subiu quase 20%

O arroz liderou as maiores elevações na Capital gaúcha; somente em setembro subiu quase 20%


PATRÍCIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC/
Patrícia Comunello
Haja bolso e criatividade para as famílias substituírem os alimentos que não param de subir de preço. A alta acumulada dos preços do arroz e do óleo de soja nos supermercados de Porto Alegre já chega a quase 70% em 2020 para cada item, aponta pesquisa da cesta básica, apurada pelo Dieese e divulgada nesta terça-feira (6). O arroz tem o maior percentual no ano, mas o óleo é o campeão em 12 meses.
Haja bolso e criatividade para as famílias substituírem os alimentos que não param de subir de preço. A alta acumulada dos preços do arroz e do óleo de soja nos supermercados de Porto Alegre já chega a quase 70% em 2020 para cada item, aponta pesquisa da cesta básica, apurada pelo Dieese e divulgada nesta terça-feira (6). O arroz tem o maior percentual no ano, mas o óleo é o campeão em 12 meses.
Aumento de consumo na pandemia, sustentado pela refeição que passou a ser feita mais em casa e menos fora, e mais ainda das exportações, para suprir a queda da oferta em outras regiões do mundo e ainda aproveitar preços valorizados, 'alimentaram' o atual estágio de preços aquecidos, principalmente no arroz.
O quilo do arroz para o consumidor já subiu 67,7% em nove meses. Em 12 meses, o avanço é de 69,5%.  Somente em setembro, a elevação do arroz é de 19,7%, conforme antecipou o Jornal do Comércio.
O óleo ficou 67,51% mais caro este ano, sendo que, no mês passado, teve alta de 19,41%. Em 12 meses, o frasco de 900 mililitros do ingrediente usado em frituras principalmente, soma elevação de 76%, maior percentual entre os 13 alimentos da cesta básica.
Com as altas, o arroz também alimenta a inflação. O Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1), divulgado nesta terça e que mostra impactos de aumentos entre famílias com renda entre um e 2,5 salários mínimos, subiu 0,89% em setembro, no ano acumula 3,13% e, em 12 meses, avanço é de 4,54%. Arroz e feijão contribuíram com 10,64% da alta em alimentos. O IPCA, que é o índice oficial, sai na sexta-feira.
Segundo o Dieese, a cesta custou R$ 552,86 para ser comprada pelos moradores em setembro, com alta de 4,6% no mês, de 9,25% no ano e 20,% em 12 meses. Porto Alegre aparece com a quarta cesta mais cara entre 17 capitais pesquisadas pelo Dieese.   
O feijão, que faz a clássica dobradinha na mesa com o arroz, não chega a níveis dos dois líderes das altas, mas também está com preço mais salgado. No mês, o grão subiu 5%, no ano já acumula 57,4% e 55,1% em 12 meses.      
Na lista dos produtos que ficaram mais caros, estão tomate, que teve a maior alta, de 29,11% - com efeito da entressafra -. banana (17,76%), manteiga (3,87%), leite (2,97%), café (2,42%), farinha de trigo (2,05%) e açúcar (0,39%). Os itens com queda foram batata (-22,11%), carne (-0,49) e pão (-0,32%).
O porto-alegrense teve de trabalhar 116 horas e 23 minutos para comprar uma cesta. O valor ainda representa 57,19% do salário mínimo. 
Entre as 17 capitais incluídas na pesquisa, Florianópolis teve o maior valor da cesta, de R$ 582,40, alta de  9,8%. Depois vem o Rio de Janeiro, valendo R$ 563,75, aumento de 6,42%. São Paulo aparece em terceiro lugar, com o conjunto de itens valendo R$ 563,35, aumento de 4,33%.
Comentários CORRIGIR TEXTO