Porto Alegre, sexta-feira, 25 de setembro de 2020.
Dia do Trânsito.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 25 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Petróleo

- Publicada em 16h17min, 25/09/2020.

Petróleo fecha em queda e recua mais de 2% na semana

O petróleo WTI para novembro encerrou em baixa de 0,14%, em US$ 40,25 o barril

O petróleo WTI para novembro encerrou em baixa de 0,14%, em US$ 40,25 o barril


ANDRÉ MOTTA DE SOUZA/AGÊNCIA PETROBRAS/DIVULGAÇÃO/JC
Os contratos futuros de petróleo fecharam em leve baixa nesta sexta-feira (25) acompanhando a melhora no sentimento de risco nos mercados financeiros globais. O fortalecimento do dólar, em um cenário de incertezas sobre a economia mundial, continuou pesando sobre as cotações da commodity.
Os contratos futuros de petróleo fecharam em leve baixa nesta sexta-feira (25) acompanhando a melhora no sentimento de risco nos mercados financeiros globais. O fortalecimento do dólar, em um cenário de incertezas sobre a economia mundial, continuou pesando sobre as cotações da commodity.
O petróleo WTI para novembro encerrou em baixa de 0,14%, em US$ 40,25 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), com perda semanal de 2,59%. O Brent para o mesmo mês recuou 0,05%, a US$ 41,92 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE), cedendo 2,85% na semana.
As últimas sessões foram marcadas por uma aguda aversão ao risco, em meio ao recente avanço do coronavírus na Europa, que suscita temores de imposição de novas medidas de restrição ao movimento. A cautela levou investidores a buscarem a segurança do dólar, que, ao se valorizar, tornou commodities mais caras e, portanto, menos atraentes.
"Esses desdobramentos apoiam nossa visão de que as incertezas quanto à demanda vão manter o petróleo preso em uma faixa muito estreita até o fim do ano", avalia a Capital Economics, em relatório enviado a clientes.
Na quarta-feira, o movimento de perdas deu uma trégua, após o Departamento de Energia (DoE) dos Estados Unidos confirmar contínua queda nos estoques de petróleo no país. Ainda assim, de acordo com o Commerzbank, as perspectivas para o mercado seguem negativas. "O alto número de casos de coronavírus na Europa e as renovadas restrições à circulação podem derrubar as estimativas para a demanda", explica.
Hoje, a Baker Hughes revelou que o número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos Estados Unidos subiu 4 na última semana, a 183.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO