Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Conjuntura

- Publicada em 08h48min, 24/09/2020. Atualizada em 08h51min, 24/09/2020.

BC revisa projeção para PIB de 2020 de -6,4% para -5,0%

O Banco Central alterou a estimativa do consumo das famílias de -7,4% para -4,6%

O Banco Central alterou a estimativa do consumo das famílias de -7,4% para -4,6%


LUIZA PRADO/JC
Em meio a reavaliações dos impactos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia brasileira, o Banco Central (BC) atualizou nesta quinta-feira (24) sua projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. A expectativa para a economia este ano passou de queda de 6,4% para retração de 5,0%. A nova estimativa consta no Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado pela manhã.
Em meio a reavaliações dos impactos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia brasileira, o Banco Central (BC) atualizou nesta quinta-feira (24) sua projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. A expectativa para a economia este ano passou de queda de 6,4% para retração de 5,0%. A nova estimativa consta no Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado pela manhã.
Entre os componentes do PIB para 2020, o BC alterou de +1,2% para +1,3% a projeção para a agropecuária. No caso da indústria, a estimativa passou de -8,5% para -4,7% e, para o setor de serviços, de -5,3% para -5,2%.
Do lado da demanda, o BC alterou a estimativa do consumo das famílias de -7,4% para -4,6%. No caso do consumo do governo, o porcentual projetado foi de +0,2% para -4,2%.
O documento divulgado nesta quinta indica ainda que a projeção de 2020 para a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) - indicador que mede o volume de investimento produtivo na economia - foi de -13,8% para -6,6%. Todas as estimativas anteriores constavam do RTI divulgado em junho.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO