Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Trabalho

- Publicada em 03h00min, 18/09/2020.

Centrais sindicais lançam mobilização por auxílio de R$ 600,00 até dezembro

As 11 centrais sindicais brasileiras lançaram nesta quinta-feira uma campanha pela manutenção do valor do auxílio emergencial em R$ 600,00 até o mês de dezembro. A mobilização inclui um abaixo-assinado e peças de divulgação com palavras de ordem como #600peloBrasil e "Bota pra votar já, Maia". As regras para a concessão do auxílio emergencial residual de R$ 300,00 foram publicadas em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) de quarta-feira.
As 11 centrais sindicais brasileiras lançaram nesta quinta-feira uma campanha pela manutenção do valor do auxílio emergencial em R$ 600,00 até o mês de dezembro. A mobilização inclui um abaixo-assinado e peças de divulgação com palavras de ordem como #600peloBrasil e "Bota pra votar já, Maia". As regras para a concessão do auxílio emergencial residual de R$ 300,00 foram publicadas em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) de quarta-feira.
A partir da próxima semana, os representantes das centrais devem começar articulações em Brasília (DF) com parlamentares da oposição e que sejam simpáticos à manutenção do valor do benefício. Eles também já solicitaram audiências com os presidentes da Câmara, deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Maia, porém, acaba de ser diagnosticado com Covid-19 e está em isolamento. Além da redução para R$ 300,00, a MP 1.000 cortou também o alcance do benefício, o que resultará na exclusão de 6 milhões de pessoas.
Segundo o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, as articulações regionais, no estados e municípios serão importantes para que a campanha ganhe força. "A crise econômica e social em consequência da pandemia teria sido muito mais grave se não fosse o auxílio emergencial." O presidente da CUT, Sergio Nobre, disse que as centrais precisam marcar posição. Ele defende que o pagamento dos R$ 600,00 foi uma conquista do movimento sindical.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO