Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 15h19min, 17/09/2020.

Ouro fecha em baixa após decisões dos BCs dos EUA, Reino Unido e Japão

Ouro com entrega prevista para dezembro encerrou a sessão com perda de 1,04%, a US$ 1.949,90 a onça-troy

Ouro com entrega prevista para dezembro encerrou a sessão com perda de 1,04%, a US$ 1.949,90 a onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O contrato futuro mais líquido de ouro fechou em queda nesta quinta-feira, depois que o bancos centrais de Estados Unidos, Japão e Reino Unido anunciaram manutenção da orientação corrente da política monetária. Embora não haja em futuro próximo perspectivas para alta dos juros, investidores reagiram com cautela à falta de sinalização por mais estímulos.
O contrato futuro mais líquido de ouro fechou em queda nesta quinta-feira, depois que o bancos centrais de Estados Unidos, Japão e Reino Unido anunciaram manutenção da orientação corrente da política monetária. Embora não haja em futuro próximo perspectivas para alta dos juros, investidores reagiram com cautela à falta de sinalização por mais estímulos.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro com entrega prevista para dezembro encerrou a sessão com perda de 1,04%, a US$ 1.949,90 a onça-troy.
O Fed sinalizou na quarta-feira que deve manter os juros na faixa atual (entre 0% e 0,25%) até, pelo menos, 2023. No comunicado, a instituição reforçou o objetivo de garantir máximo emprego e inflação em uma média de 2% ao longo prazo.
Para o Commerzbank, essa orientação tende a ser benéfica para os preços de metais preciosos. "Os critérios altos que o Fed estabeleceu para voltar a subir juros apontam para ouro mais caro", explica.
No entanto, as cotações do metal perderam em força na sequência do anúncio de quarta. Isso porque, de acordo com estrategista-chefe da Axicorp, Stephen Innes, havia expectativa por um maior afrouxamento monetária. "Não havia remédio dovish suficiente disponível para o Fed para afastar todos os temores de setembro", analisa.
Durante madrugada, o Banco do Japão (BoJ) e o Banco da Inglaterra (BoJ) também anunciaram manutenção de suas principais taxas básicas de juros. No caso da autoridade monetária britânica, os mercados deram atenção ao debate sobre uso de juros negativos.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO