Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado financeiro

- Publicada em 16h16min, 16/09/2020. Atualizada em 16h27min, 16/09/2020.

Fed mantém taxa básica de juros atual até atingir meta de emprego e inflação

Banco central americano decidiu que a taxa dos Fed funds fica entre 0% e 0,25% ao ano

Banco central americano decidiu que a taxa dos Fed funds fica entre 0% e 0,25% ao ano


BRENDAN SMIALOWSKI / AFP/JC
Os integrantes do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) decidiram nesta quarta-feira (16) manter a taxa dos Fed funds na faixa entre 0% e 0,25% ao ano.
Os integrantes do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) decidiram nesta quarta-feira (16) manter a taxa dos Fed funds na faixa entre 0% e 0,25% ao ano.
O Fed também decidiu manter a taxa de desconto em 0,25% e a taxa de juros sobre excesso de reservas (IOER, na sigla em inglês) em 0,10%.
No comunicado em que anuncia decisão de política monetária, o Fed informou que pretende deixar a taxa básica de juros inalterada até que sejam alcançados os objetivos de máximo emprego e inflação a 2% no longo prazo.
A autoridade monetária reforçou a orientação de permitir que o índice de preços fique acima da meta por um tempo, para compensar os períodos em que ficou deprimido. "O Comitê espera manter uma postura acomodatícia da política monetária até que esses resultados sejam alcançados", destacou.
O Fed acrescentou que seguirá monitorando os dados econômicos para avaliar os riscos impostos pela pandemia. Também voltou a garantir que usará todos os instrumentos necessários para apoiar a economia. "As avaliações do Comitê levarão em conta uma ampla gama de informações, incluindo leituras sobre saúde pública, condições do mercado de trabalho, pressões e expectativas inflacionárias e desenvolvimentos financeiros e internacionais", ressalta.
A instituição salientou ainda que a trajetória da atividade econômica dependerá da evolução do coronavírus. Segundo o Fed, houve uma melhora nas condições nos últimos meses, mas ainda longe de voltar aos níveis pré-crise. "A demanda mais fraca e os preços do petróleo significativamente mais baixos estão mantendo a inflação dos preços ao consumidor", analisa.
O Fed elevou projeções para o índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês), medida de inflação preferida da instituição. De acordo com as atualizações divulgadas, a mediana das projeções para o PCE em 2020 subiu de 0,8% (em junho) para 1,2%. Para 2021, ela passou de 1,6% em junho para 1,7% agora.
No ano de 2022, a mediana das projeções para o PCE é de alta de 1,8%, quando em junho era de 1,7%. Em 2023, ela está em 2,0%, a mesma taxa de longo prazo nas projeções.
Para o núcleo do PCE, os dirigentes esperam 1,5% em 2020 (de 1,0% em junho), 1,7% em 2021 (de 1,5%) e 1,8% em 2022 (de 1,7% em junho). Em 2023, a expectativa para o núcleo do PCE é de avanço de 2,0%.
O Fed atualizou projeções, prevendo agora que o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos sofra contração de 3,7% em 2020. Em junho, a mediana das projeções era de uma contração de 6,5%.
Para 2021, a expectativa agora é de crescimento de 4,0%, menos do que os 5,0% de avanço da mediana das projeções de junho. Em 2022, a projeção é de um avanço do PIB de 3,0% (de 3,5% anteriormente). No mais longo prazo, a previsão é de crescimento de 1,9% (de 1,8% em junho).
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO