Porto Alegre, quarta-feira, 16 de setembro de 2020.
Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozônio.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 16 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Gastronomia

- Publicada em 15h35min, 16/09/2020. Atualizada em 15h38min, 16/09/2020.

Restaurantes de Porto Alegre terão nova orientação sobre horário de atendimento

Restaurantes reabriram no começo de agosto e hoje abrem de segunda a sábado

Restaurantes reabriram no começo de agosto e hoje abrem de segunda a sábado


LUIZA PRADO/JC
Patrícia Comunello
A operação de restaurantes em Porto Alegre deve ter nova orientação em breve. Decreto a ser publicado pela prefeitura vai dar uma tolerância maior na permanência de clientes dentro dos estabelecimentos, mesmo após o horário máximo permitido para funcionar, segundo as flexibilizações da pandemia na Capital. A mais recente foi a liberação de bufês de autosserviço. 
A operação de restaurantes em Porto Alegre deve ter nova orientação em breve. Decreto a ser publicado pela prefeitura vai dar uma tolerância maior na permanência de clientes dentro dos estabelecimentos, mesmo após o horário máximo permitido para funcionar, segundo as flexibilizações da pandemia na Capital. A mais recente foi a liberação de bufês de autosserviço. 
O presidente do Sindicato de Hospedagem e Alimentação de Porto Alegre e Região (Sindha),Henry Chmelnitsky, informa que a entrada poderá ser feita até as 22h, teto máximo de abertura hoje de segunda a sábado, mas "o salão terá de estar liberado até as 23h".
A informação foi repassada nesta quarta-feira (16) pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico ao dirigente do Sindha. "Vai sair um decreto regulando uma questão que angustiava o setor, que era o horário de fechar a porta e a saída dos clientes", comenta 
Esta situação foi levada pelo presidente do sindicato à reunião da semana passada entre o prefeito Nelson Marchezan Júnior e as entidades empresariais. Chmelnitsky descreveu um episódio de uma fiscalização a um restaurante no limite do horário de fechamento e que ainda tinha clientes no interior.
"É uma questão de sensibilidade. Não vamos deixar de cumprir os protocolos", disse o presidente do sindicato. A alteração nas regras, com a permissão para a permanência até as 23h, foi determinada pelo prefeito.
Segundo Chmelnitsky, a secretaria reforçou o pedido para o apoio aos protocolos e fiscalização. "Todos têm de fazer a sua parte", resumiu. 
Na sexta-feira passada (11), a prefeitura flagrou aglomerações em ruas e bares nos bairros Cidade Baixa, Centro e Moinhos de Vento e chegou a autuar estabelecimentos. O presidente do Sindha se manifestou cobrando que os locais e a população respeitem as regras. "Para não retroceder", citou.
A retomada de atividades desde o começo de agosto ocorre com um cenário de estabilidade da demanda de leitos em UTIs e mesmo no ritmo de novos casos do novo coronavírus. Mas o comitê de enfrentamento da pandemia e o próprio prefeito têm advertido que, se houver recrudescimento da doença, as medidas de fechamento podem ser reativadas. 
Neste momento, a prefeitura discute calendário de volta às aulas, que pode ocorrer em 5 de outubro, e do setor de eventos, que está fazendo eventos-teste para validar medidas ajustadas aos cuidados da crise sanitária.       
Comentários CORRIGIR TEXTO