Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 14h15min, 16/09/2020.

Maioria das bolsas da Europa fecha em alta; Londres é exceção

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,58%, a 373,13 pontos

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,58%, a 373,13 pontos


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
As bolsas da Europa fecharam na maioria em alta nesta quarta-feira (16) com grande expectativa pela reunião e os posicionamentos seguintes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). A única exceção ao movimento de ganhos foi Londres, que chegou a operar em alta, mas fechou em baixa. O destaque positivo foi para o setor de varejo, enquanto montadoras tiveram perdas. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,58%, a 373,13 pontos.
As bolsas da Europa fecharam na maioria em alta nesta quarta-feira (16) com grande expectativa pela reunião e os posicionamentos seguintes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). A única exceção ao movimento de ganhos foi Londres, que chegou a operar em alta, mas fechou em baixa. O destaque positivo foi para o setor de varejo, enquanto montadoras tiveram perdas. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,58%, a 373,13 pontos.
É possível que o Fed prolongue sua política de inflação, relaxada recentemente, segundo o analista da Spreadex, Connor Campbell.
"Além disso, o Fed trará uma potencial melhora na economia dos Estados Unidos e lembrança da necessidade de alcançar um pacote bipartidário no Congresso para estímulos fiscais e, talvez, uma mudança no forward guidance", projetou o analista sobre possíveis temas a serem tratados na reunião desta quarta.
O FTSE 100, referência em Londres, caiu 0,44%, pressionado por ações de grandes exportadoras, em meio ao fortalecimento da libra. Dados divulgados nesta quarta-feira apresentaram a inflação anual no país desacelerando em agosto, com os preços ao consumidor subindo 0,2%, frente 1% de aumento em julho.
O setor de varejo liderou ganhos no dia, guiado por aumento de 8,08% nas ações da Inditex, depois que sua subsidiária Zara anunciou lucros no segundo trimestre, frente a quedas anteriores relacionadas a fechamentos de lojas.
Em Madrid, a Inditex registrou a maior alta do dia, e impulsionou o Ibex 35 a fechar com avanço de 1,06%, a 7110,80 pontos.
As montadoras tiveram em grande parte um dia de perdas, após a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, anunciar durante o discurso do Estado da União nesta quarta-feira, que espera aumentar os cortes de emissões de carbono na União Europeia de 40% para 55% em 2030, em uma tentativa de se aproximar da neutralidade climática proposta pelo acordo de Paris.
Em Paris, onde o CAC 40 subiu 0,13%, a 5074,42 pontos as montadoras apareceram como destaque negativo, com Renault em baixa de 1,75%, acompanhada por Peugeot (-0,94%).
O DAX também chegou a operar em baixa em Frankfurt, mas se recuperou e teve alta de 0,29%, a 1.3255,27 pontos.
Em Milão, o FTSE MIB operou perto da estabilidade, avançando 0,04%, a 19963,99 pontos.
Em Lisboa, o PSI20 fechou em alta de 0,22%, a 4293,62 pontos.
Um dos principais indicadores na zona do euro divulgados nesta quarta foi a balança comercial, que registrou aumento nas importações e exportações em julho, o terceiro mês seguido de alta. No entanto, os números ainda estão abaixo dos níveis pré-pandemia.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO