Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Varejo

- Publicada em 19h34min, 15/09/2020.

Semana do Brasil teve queda de 8,3% no faturamento sobre 2019, diz pesquisa

Promoções relacionado ao feriado do dia 7 de setembro havia mostram alta de 11% em 2019

Promoções relacionado ao feriado do dia 7 de setembro havia mostram alta de 11% em 2019


PATRICIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC
A chamada "Semana do Brasil" registrou queda de 8,3% no faturamento do varejo brasileiro ante o número de 2019. O período de promoções relacionado ao feriado do dia 7 de setembro havia mostrado alta de 11% em 2019 sobre 2018. Os dados são de um levantamento da Cielo para o Global Retail Show e foram divulgados nesta terça-feira pelo presidente da Gouvêa Experience, Marcos Gouvêa.
A chamada "Semana do Brasil" registrou queda de 8,3% no faturamento do varejo brasileiro ante o número de 2019. O período de promoções relacionado ao feriado do dia 7 de setembro havia mostrado alta de 11% em 2019 sobre 2018. Os dados são de um levantamento da Cielo para o Global Retail Show e foram divulgados nesta terça-feira pelo presidente da Gouvêa Experience, Marcos Gouvêa.
"Há 30 ou 40 dias as entidades nos procuraram para mobilizar as ofertas para a Semana do Brasil. A pandemia deixou o varejo muito desorganizado. Mas antes desta semana, em agosto, os números de perdas no varejo eram de 18,4%", disse Gouvêa.
Ele pontua, porém, que se considerado os números do e-commerce, houve alta de 10% no faturamento. Descontando, no entanto, setores muito negativamente afetados como o de turismo, houve crescimento de cerca de 90% no faturamento sobre os dados de 2019.
No turismo e transporte, a queda sobre o mesmo período de 2019 foi de cerca de 10%. Antes da semana promocional, a queda era de mais de 80% em relação ao ano passado.
Em bares e restaurantes, as perdas ficaram em torno de 36%, antes era de 40% a 50%. Já o setor de móveis e eletrodomésticos registrou alta de 7%.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO