Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 15h16min, 15/09/2020. Atualizada em 15h19min, 15/09/2020.

Ouro fecha em leve alta, à espera de decisão de política monetária do Fed

Onça-troy com entrega prevista para dezembro encerrou com ganho de 0,12%, a US$ 1.966,20

Onça-troy com entrega prevista para dezembro encerrou com ganho de 0,12%, a US$ 1.966,20


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O contrato futuro de ouro mais líquido fechou em leve alta nesta terça-feira (15) à medida que investidores do mercado de metais preciosos evitam tomar posições muito bruscas, enquanto aguardam a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), marcada para quarta-feira (16).
O contrato futuro de ouro mais líquido fechou em leve alta nesta terça-feira (15) à medida que investidores do mercado de metais preciosos evitam tomar posições muito bruscas, enquanto aguardam a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), marcada para quarta-feira (16).
Na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange, a onça-troy do ouro com entrega prevista para dezembro encerrou com ganho de 0,12%, a US$ 1.966,20.
Segundo um analista do Julius Baer, o metal segue em fase de consolidação, depois do forte rali observado no mês passado. "Os mercados parecem ter passado para o compasso de espera, também sustentados por uma redução dos fluxos em direção a ouro e prata físicas", destaca.
Nesse sentido, o foco nesta semana será o resultado da reunião do Fed, que começou hoje e termina na quarta-feira. "Acreditamos que a política monetária segue permanece em foco para o ouro e a prata, sobretudo por conta do potencial de longo prazo das consequências do volume enorme de estímulos, que alguns acreditam que irá provocar avanço da inflação", analisa.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO