Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 13h33min, 14/09/2020.

Bolsas da Europa fecham mistas, mas Stoxx 600 sobe com otimismo por vacina

Índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em alta de 0,15%, a 368,51 pontos

Índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em alta de 0,15%, a 368,51 pontos


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
As bolsas da Europa fecharam sem direção única nesta segunda-feira (14) tendo perdido força na etapa final do pregão, em meio ao desconforto a respeito das relações entre União Europeia e China. Notícias positivas sobre o desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus ajudaram a sustentar alguns setores e, com isso, o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em alta de 0,15%, a 368,51 pontos.
As bolsas da Europa fecharam sem direção única nesta segunda-feira (14) tendo perdido força na etapa final do pregão, em meio ao desconforto a respeito das relações entre União Europeia e China. Notícias positivas sobre o desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus ajudaram a sustentar alguns setores e, com isso, o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em alta de 0,15%, a 368,51 pontos.
Na abertura, as principais praças europeias exibiam ganhos sólidos, após o anúncio da farmacêutica AstraZeneca da retomada dos estudos clínicos por um imunizador contra a covid-19.
Os testes haviam sido paralisados por conta de suspeitas de que uma voluntária pudesse ter sofrido uma reação adversa. No sábado, a Autoridade Sanitária do Reino Unido (MHRA, na sigla em inglês), contudo, atestou que os estudos poderiam continuar com segurança.
O otimismo deu impulso às bolsas, mas acabou se dissipando ao longo da sessão, a despeito do bom desempenho dos índices acionários em Nova York.
Em Londres, o FTSE 100 cedeu 0,10%, a 6.026,25 pontos. Por lá, seguem repercutindo os desdobramentos do debate sobre a Lei de Mercado Interno, que impõe regras alfandegárias à Irlanda do Norte e pode romper o acordo do Brexit, como é conhecido o processo de saída do Reino Unido da União Europeia.
Na avaliação do BBH, embora negativas, as notícias sobre o andamento da matéria no Parlamento britânico devem pesar menos, já que não há muito o que se adicionar. "Apesar da retórica do primeiro ministro Boris Johnson, não está claro até que ponto vão levar essa lei", explica.
Nas demais bolsas, houve certa cautela na esteira da reunião de autoridades europeias com o presidente chinês, Xi Jinping. Em entrevista coletiva, a chanceler alemã, Angela Merkel, ressaltou a importância da parceria, mas destacou que exortou o gigante asiático a aumentar a reciprocidade. Com isso, em Frankfurt, o DAX perdeu 0,07%, a 13.193,66 pontos.
Em Paris, o CAC 40 avançou 0,35%, a 5.051,88 pontos. Entre os destaques, a ação do AirBus registrou alta de 3,63%.
Em Milão, o FTSE MIB cedeu 0,14%, a 19.793,80. O Ibex 35, de Madri, ganhou 0,11%, a 6.951,10, enquanto o PSI 20, de Lisboa, caiu 0,59%, a 4.285,97.
No noticiário corporativo, o site Inside Paradeplatz revelou que o UBS planeja uma fusão com o Credit Suisse, em um negócio que poderia gerar a maior instituição financeira da Europa. Com isso, o papel do UBS se elevou 2,47% e o do Credit Suisse se valorizou 4,33% na Bolsa da Suíça.
 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO