Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 13h51min, 11/09/2020.

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, com Brexit, câmbio e dados no radar

O índice pan-europeu Stoxx fechou em alta de 0,13%, em 367,96 pontos

O índice pan-europeu Stoxx fechou em alta de 0,13%, em 367,96 pontos


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
Os mercados acionários europeus não tiveram sinal único nesta sexta-feira (11). Com foco nas dificuldades na busca por um acordo comercial entre Reino Unido e a União Europeia após o Brexit, investidores monitoraram também indicadores. Além disso, a libra mais fraca apoiou ações de exportadoras britânicas.
Os mercados acionários europeus não tiveram sinal único nesta sexta-feira (11). Com foco nas dificuldades na busca por um acordo comercial entre Reino Unido e a União Europeia após o Brexit, investidores monitoraram também indicadores. Além disso, a libra mais fraca apoiou ações de exportadoras britânicas.
O índice pan-europeu Stoxx fechou em alta de 0,13%, em 367,96 pontos, com ganho semanal de 1,67%.
As dificuldades no diálogo entre Reino Unido e UE e a ameaça de impasse e eventual judicialização das divergências continuam. Segundo a Reuters, o bloco deve tomar uma decisão sobre os próximos passos nas difíceis negociações no fim de setembro.
Para o ING, há no máximo 50% de chance de um acordo entre as partes. A Oxford Economics, por sua vez, comenta em relatório que o governo britânico teria de escolher entre "o resultado pior e o segundo pior". Para a consultoria, o pior seria não ter acordo, mas as perspectivas para a economia do país não são muito animadoras mesmo se ele se concretizar.
Na agenda de indicadores, a produção industrial do Reino Unido cresceu 5,2% em julho ante junho, acima da previsão de alta de 4%. Na Alemanha, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) ficou estável em agosto, na comparação anual, como esperado.
Em Londres, o índice FTSE 100 fechou com ganho de 0,48%, em 6.032,09 pontos, com alta de 4,02% na semana. Entre ações em foco, Rio Tinto subiu 4,35%, após o executivo-chefe da companhia anglo-australiana, Jen-Sébastien Jacques, por pressão dos investidores após a empresa ter destruído um sítio aborígine de 46 mil anos para acessar um depósito de minério.
Em Frankfurt, o índice DAX recuou 0,05%, a 13.202,84 pontos, mas avançou 2,80% na comparação semanal.
Na Bolsa de Paris, o índice CAC 40 subiu 0,20%, a 5.034,14 pontos. Na semana, o índice da bolsa francesa teve alta de 1,39%. Société Générale caiu 3,11% nesta sexta-feira, enquanto Spineway subiu 4,00%. Peugeot avançou 0,69%.
O índice FTSE MIB, da Bolsa de Milão, ficou estável, em 19.820,75 pontos, com ganho de 2,21% na semana. Intesa Sanpaolo caiu 1,22% e Telecom Italia, 1,92%, mas Enel avançou 0,74%.
Em Madri, o índice IBEX 35 caiu 0,80%, a 6.943,20 pontos, com baixa de 0,54% na semana. A ação do Santander mostrou baixa de 2,18% e Banco de Sabadell, de 3,28%.
Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI 20 recuou 0,33%, a 4.311,59 pontos, mas subiu 1,49% na comparação semanal. Altri perdeu 4,14% e Banco Comercial Português cedeu 2,44%.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO