Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Serviços

- Publicada em 11h17min, 11/09/2020. Atualizada em 11h46min, 11/09/2020.

Serviços do RS crescem em julho frente a junho, mas têm queda forte sobre 2019

Transportes e comunicações foram destaque no desemprenho dos serviços em julho

Transportes e comunicações foram destaque no desemprenho dos serviços em julho


JOYCE ROCHA/JC
Os serviços do Rio Grande do Sul tiveram elevação de 3,5% em julho frente a junho desde ano, segundo o IBGE, que reflete os movimentos de flexibilização com retomada de atividades que estavam mais afetadas pela pandeia. Mas a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) mostra que há muito a percorrer para uma retomada, pois a queda foi de 14,4% em relação a julho de 2019. 
Os serviços do Rio Grande do Sul tiveram elevação de 3,5% em julho frente a junho desde ano, segundo o IBGE, que reflete os movimentos de flexibilização com retomada de atividades que estavam mais afetadas pela pandeia. Mas a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) mostra que há muito a percorrer para uma retomada, pois a queda foi de 14,4% em relação a julho de 2019. 
No Brasil, houve aumento de 2,6¨no volume das atividades em julho frente a junho e queda de 8,9% no confronto com o mesmo mês do ano passado.
Vinte das 27 unidades da federação tiveram elevação no confronto mensal do ano. Estados com peso na economia como São Paulo e Rio de Janeiro registraram aumento no volume das atividades de 1,3% e 3,3%, respectivamente. 
Frente ao mesmo mês do ano passado, o recuo foi intenso como no mercado gaúcho. São Paulo teve queda de 10,7%, Rio de Janeiro, de 9,2%, Minas Gerais, de 11,8%, e Paraná, de 15,4%. 
Segundo o órgão, o setor de serviços alcança alta de 7,9% acumulada nos dois últimos meses, o que sinaliza recuperação de parte da perda acumulada entre fevereiro e maio, que é de 19,8%. O volume de serviços está 22,2% abaixo de novembro de 2014, que foi o ponto mais alto da série histórica, e 12,5% menor em relação a fevereiro de 2020, antes da pandemia.
Quatro das cinco atividades medidas mostraram avanço no volume de serviços, com destaque para informação e comunicação, com alta de 2,2%, e transportes, elevação de 2,3%.
Já no confronto anual, com julho de 2019, quatro das cinco atividades apontaram retração no volume de serviços. O IBGE aponta que serviços prestados às famílias despencaram 54,9%, seguidos por transporte (-11,3%) e profissionais e administrativos (-14,6%). Somente outros serviços tiveram alta, de 4,1%.
Comentários CORRIGIR TEXTO