Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 16h18min, 09/09/2020. Atualizada em 16h29min, 09/09/2020.

Ouro fecha em alta, apoiado por dólar fraco e em recuperação após quedas recetes

Ouro para dezembro subiu 0,60%, a US$ 1.954,90 a onça-troy

Ouro para dezembro subiu 0,60%, a US$ 1.954,90 a onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Os contratos futuros do ouro continuaram o movimento de recuperação e fecharam o pregão desta quarta-feira em alta, após terem registrado perdas na semana passada. Os preços também foram apoiados pela fraqueza do dólar, o que deixa o metal precioso mais atrativo para detentores de outras divisas.
Os contratos futuros do ouro continuaram o movimento de recuperação e fecharam o pregão desta quarta-feira em alta, após terem registrado perdas na semana passada. Os preços também foram apoiados pela fraqueza do dólar, o que deixa o metal precioso mais atrativo para detentores de outras divisas.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para dezembro subiu 0,60%, a US$ 1.954,90 a onça-troy.
"Os preços do ouro e da prata estiveram sob alguma pressão ultimamente, devido, entre outras coisas, a preocupações com uma recuperação mais lenta da demanda, mas principalmente por causa da recuperação do dólar", afirma o analista de mercado Fawad Razaqzada, da ThinkMarkets. "No entanto, como os rendimentos dos títulos permaneceram baixos, a pressão de venda de ouro e prata não foi muito forte", acrescenta o profissional.
Nesta quarta, o índice DXY, que mede a variação do dólar ante outras seis moedas fortes, passou a recuar após a Bloomberg informar que o Banco Central Europeu (BCE) deve mostrar uma perspectiva econômica mais otimista na decisão de política monetária desta quinta-feira, 10, o que impulsionou o euro.
Também ficam no radar o acirramento da tensão entre a União Europeia e o Reino Unido em torno de um acordo comercial pós-Brexit e a pausa na fase três dos testes da vacina produzida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, que podem ser retomados na já na próxima semana.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO