Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 14h02min, 09/09/2020.

Bolsas da Europa fecham em alta, com techs e expectativa de otimismo do BCE

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em alta de 1,62%, a 369,65 pontos

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em alta de 1,62%, a 369,65 pontos


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
As bolsas da Europa fecharam em alta nesta quarta-feira (9) recuperando parte das perdas registradas nos últimos pregões, quando a onda de vendas de ações de tecnologia pesou sobre os ativos. No radar nesta quarta-feira, estiveram os acenos para retorno das negociações por estímulos nos Estados Unidos e sinalizações de que o Banco Central Europeu (BCE) deve apresentar um horizonte de melhoras econômicas após decisão de política monetária na quinta-feira. Os fatores contribuíram para a recuperação de empresas de tecnologia e das commodities.
As bolsas da Europa fecharam em alta nesta quarta-feira (9) recuperando parte das perdas registradas nos últimos pregões, quando a onda de vendas de ações de tecnologia pesou sobre os ativos. No radar nesta quarta-feira, estiveram os acenos para retorno das negociações por estímulos nos Estados Unidos e sinalizações de que o Banco Central Europeu (BCE) deve apresentar um horizonte de melhoras econômicas após decisão de política monetária na quinta-feira. Os fatores contribuíram para a recuperação de empresas de tecnologia e das commodities.
O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em alta de 1,62%, a 369,65 pontos.
Acenos pelo retorno das negociações para uma nova rodada de estímulos fiscais nos Estados Unidos ajudaram a alimentar o apetite por risco.
Em entrevista à CNN, o líder da oposição no Senado, Chuck Schumer, afirmou que há uma "boa chance" de que o Congresso aprove uma legislação para atenuar os efeitos da crise do coronavírus. O secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, por outro lado, disse não saber o que irá acontecer. "Espero haja (acordo). É importante para muita gente", destacou.
A recuperação das ações do setor de tecnologia, após a forte liquidação dos últimos dias, foi outro fator que contribuiu para a melhora no sentimento. Nesse cenário de maior otimismo, o petróleo operou em forte alta, o que beneficiou ações do setor. Em Londres, o papel da BP avançou 1,45% e da Total subiu 0,93%.
Com isso, o FTSE 100, referência no mercado britânico, ganhou 1,39%, a 6.012,84 pontos. Por lá, seguem repercutindo os desdobramentos do Brexit. Nesta quarta, Londres divulgou um projeto de lei que impõe as regras alfandegárias do Reino Unido à Irlanda do Norte, o que, para Bruxelas, viola os termos do acordo de separação. A União Europeia convocou uma reunião para tratar do tema.
Mesmo com o impasse, o DAX, de Frankfurt, avançou 2,07%, a 13.237,21 pontos.
Em Paris, o CAC 40, de Paris, subiu 1,40%, a 5.042,98 pontos.
No fim da manhã, a informação da Bloomberg de que o BCE deve apresentar um horizonte de melhora nas condições econômicas no próximo relatório impulsionou ainda mais os negócios.
Em Milão, o FTSE MIB avançou 2,02%, a 19.771,32 pontos.
Em Madri, o IBEX 35 teve alta de 0,95%, a 7.020,90.
Em Lisboa, o PSI 20 subiu 2,29%, a 4.354,05 pontos.
 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO