Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 17h00min, 03/09/2020. Atualizada em 17h00min, 03/09/2020.

Petróleo fecha em baixa com dúvidas sobre recuperação da demanda

O contrato do WTI para outubro fechou em queda de 0,34%, a US$ 41,37 o barril, na Nymex

O contrato do WTI para outubro fechou em queda de 0,34%, a US$ 41,37 o barril, na Nymex


AGÊNCIA PETROBRAS/DIVULGAÇÃO/JC/JC
Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa nesta quinta-feira (3), pressionados por uma aversão a riscos global após dados econômicos dos Estados Unidos e da China alimentarem dúvidas sobre a recuperação da economia mundial num contexto de farta oferta da commodity.
Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa nesta quinta-feira (3), pressionados por uma aversão a riscos global após dados econômicos dos Estados Unidos e da China alimentarem dúvidas sobre a recuperação da economia mundial num contexto de farta oferta da commodity.
O contrato do WTI para outubro fechou em queda de 0,34%, a US$ 41,37 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para novembro baixa 0,81%, a US$ 44,07 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).
Segundo o Commerzbank, a forte retração nos estoques apresentada ontem pelo relatório do Departamento de Energia (DoE) dos EUA foi, em parte, resultado de uma menor importação, em 4,9 milhões de barris por dia, o menor resultado desde fevereiro de 1992. Já na China, refinarias independentes teriam usado "suas cotas para o ano", e por isso "devem ter de reduzir suas operações" para 2020, observa o ING em relatório enviado a clientes.
O ING ainda observa que no Iraque a implementação dos cortes na produção acordados com a Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep) será atrasada. Esse fator, associado ao restabelecimento da produção no Golfo do México após a interrupção decorrente da passagem do furacão Laura pela região na última semana, deve ampliar a oferta da commodity no mercado.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO