Porto Alegre, quinta-feira, 03 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 03 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

varejo

28/08/2020 - 15h37min. Alterada em 03/09 às 15h39min

Loja da Havan em Guaíba inaugura em 12 de novembro

Empresa também tem planos para Porto Alegre, Rio Grande e Capão da Canoa

Empresa também tem planos para Porto Alegre, Rio Grande e Capão da Canoa


Havan/Divulgação/JC
Adriana Lampert
Três meses é o prazo para que a cidade de Guaíba, no Rio Grande do Sul, receba uma loja da varejista catarinense Havan. A inauguração do espaço, que deve contar com um mix variado de produtos e serviços para os clientes, está prevista para 12 de novembro. A estimativa é que a unidade empregue entre 150 e 200 pessoas. O valor do investimento não foi informado.
Em Porto Alegre, a Havan já recebeu licença de instalação para uma unidade na avenida Assis Brasil, na Zona Norte. A empresa também tem planos para as cidades de Rio Grande, onde a Havan já tem alvará para construção, e Capão da Canoa, cuja obra deve iniciar ainda este ano. Normalmente, todas as lojas possuem área de alimentação, e um mix de produtos de 100 mil itens nacionais e importados em diferentes setores como cama, mesa e banho, eletroeletrônicos, utilidades domésticas, bazar e outros.
Contando com 149 unidades em 18 estados brasileiros, a varejista deve irá inaugurar pelo menos outra loja na Região Sul ainda em 2020, desta vez em Florianópolis (SC). Outra cidade nos planos da empresa é Toledo (PR), onde a varejista já possui alvará para obra, mas ainda não definiu data para erguer as cortinas.
Nos primeiros seis meses de 2020, a Havan teve prejuízo líquido de R$ 127,5 milhões, contra um lucro de R$ 193,9 milhões no mesmo período de 2019. A empresa aponta que a pandemia de Covid-19 levou a uma redução de 10,4% na receita bruta no primeiro semestre a aumento da inadimplência de clientes. A saída foi pedir registro para oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), que prevê distribuição primária e secundária, de acordo com documento apresentado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A iniciativa ocorreu nesta sexta-feira.
De acordo com o acionista vendedor no IPO (que será o controlador da companhia), Luciano Hang, a ideia é utilizar os recursos da oferta primária em investimentos para expansão de lojas e do centro de distribuição, para abertura de novas lojas e para suporte do crescimento orgânico, além de investimentos em tecnologia e reforço no capital de giro.
Comentários CORRIGIR TEXTO

EXPEDIENTE

2020