Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 14h13min, 28/08/2020. Atualizada em 14h39min, 28/08/2020.

Maioria das bolsas da Europa fecha em baixa

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em baixa de 0,52%, em 368,80 pontos

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em baixa de 0,52%, em 368,80 pontos


MIGUEL MEDINA/AFP/JC
As bolsas europeias registraram queda nesta sexta-feira (28) à exceção de Madri, com investidores avaliando os anúncios de quinta-feira do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) com ajustes em sua política monetária. Além disso, indicadores mistos do continente foram divulgados e, no Reino Unido, a disseminação da Covid-19 seguiu no radar. No câmbio, o avanço do euro e da libra tendeu a pressionar ações de exportadoras.
As bolsas europeias registraram queda nesta sexta-feira (28) à exceção de Madri, com investidores avaliando os anúncios de quinta-feira do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) com ajustes em sua política monetária. Além disso, indicadores mistos do continente foram divulgados e, no Reino Unido, a disseminação da Covid-19 seguiu no radar. No câmbio, o avanço do euro e da libra tendeu a pressionar ações de exportadoras.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em baixa de 0,52%, em 368,80 pontos.
As praças europeias ainda abriram em alta, mas logo ficaram sem direção única, com investidores repercutindo a postura do Fed.
O BC dos EUA se comprometeu com uma estratégia de inflação média de 2%, o que significa permitir que os preços avancem para além dessa faixa por um período para compensar momentos em que não se atingiu a meta. A postura do Fed tende a ajudar os mercados acionários, dizem analistas, embora não tenha grande impacto imediato, no atual quadro de inflação baixa, exacerbado pelo choque da pandemia.
Além disso, na agenda de indicadores o índice de sentimento econômico da zona do euro subiu a 87,7 em agosto, ante previsão de 85 dos analistas. Houve, porém, confirmação de um recuo histórico no Produto Interno Bruto (PIB) da França no segundo trimestre (13,8% em relação ao primeiro). No Reino Unido, dados oficiais mostraram a disseminação do Covid-19 voltando a ganhar força.
No câmbio, a libra avançou em relação ao dólar após o Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) afirmar que tem "poder de fogo" para lidar com o choque da pandemia. O euro também subiu, apoiado pelo dado de sentimento econômico, e esse movimento pressiona ações de exportadoras do continente.
Em Londres, o índice FTSE 100 fechou em queda de 0,61%, em 5.963,57 pontos, antes de um feriado com mercados fechados na segunda-feira no Reino Unido. Na comparação semanal, a bolsa londrina registrou baixa de 0,64%. Nesta sexta, a ação da BP recuou 1,14%.
Na Bolsa de Frankfurt, o índice DAX caiu 0,48%, a 13.033,20 pontos, com alta de 2,10% na semana.
Em Paris, o índice CAC 40 recuou 0,26%, para 5.002,94 pontos, com ganho de 2,18% na semana.
Na Bolsa de Milão, o índice FTSE MIB registrou baixa de apenas 0,03%, a 19.841,01 pontos, com alta semanal de 0,74.
Na contramão da maioria, na Bolsa de Madri o índice IBEX 35 subiu 0,60%, a 7.133,00 pontos, com avanço de 2,16% na semana.
Em Lisboa, o índice PSI 20 fechou em queda de 0,65%, em 4.342,98 pontos, com baixa de 0,03% na comparação semanal.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO