Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 14h05min, 26/08/2020.

Bolsas da Europa fecham em alta, com estímulo da Alemanha e Powell no radar

O índice pan-europeu Stoxx-600 fechou em alta de 0,91%, em 373,12 pontos

O índice pan-europeu Stoxx-600 fechou em alta de 0,91%, em 373,12 pontos


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
As principais bolsas europeias fecharam com ganhos nesta quarta-feira (26). Após uma abertura negativa, os índices acionários foram apoiados por estímulos à economia na Alemanha, com investidores à espera de discurso nesta quinta-feira do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell.
As principais bolsas europeias fecharam com ganhos nesta quarta-feira (26). Após uma abertura negativa, os índices acionários foram apoiados por estímulos à economia na Alemanha, com investidores à espera de discurso nesta quinta-feira do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell.
O índice pan-europeu Stoxx-600 fechou em alta de 0,91%, em 373,12 pontos.
O fato de que o governo da chanceler Angela Merkel prolongou na terça medidas para aliviar o choque da pandemia da Covid-19 apoiou os negócios nesta quarta, sobretudo em Frankfurt. Em relatório, o Commerzbank destacou que a ajuda às empresas também foi estendida, o que lhes permite solicitar ajuda de curto prazo e suspende a obrigação de declarar insolvência até o fim deste ano. Foram também estendidos apoios para pequenos negócios.
Em uma semana de agenda modesta, investidores seguiram à espera de Powell. A expectativa nos mercados é de que o presidente do Fed mantenha o tom de apoio à atividade, o que tende ajudar os mercados acionários. Sinais de melhora recente nas relações comerciais entre Estados Unidos e China também apoiavam o apetite por risco em geral, segundo analistas.
Em Londres, o índice FTSE 100 fechou com ganho de 0,14%, em 6.045,60 pontos. A alta foi contida pela força da libra, que tende a pressionar ações de exportadoras britânicas. Glencore subiu 0,93%, mas BP teve baixa de 1,44%.
Na Bolsa de Frankfurt, o índice DAX avançou 0,98%, a 13.190,15 pontos. Os bancos alemães se saíram bem, com Commerzbank em alta de 2,69% e Deutsche Bank, de 1,75%.
Em Paris, o índice CAC 40 subiu 0,80%, a 5.048,43 pontos. Crédit Agricole teve ganho de 0,81% e Total, de 0,32%.
O índice FTSE MIB, da Bolsa de Milão, registrou alta de 0,54%, a 20.137,29 pontos, terminando na máxima do dia. Telecom Italia foi o papel mais negociado, com avanço de 5,09%.
Em Madri, o índice IBEX 35 avançou 0,21%, a 7.123,00 pontos, com os bancos espanhóis em alta, como Santander (+1,34%), BBVA (+1,44%) e Banco de Sabadell (+0,15%). Na Bolsa de Lisboa, o PSI 20 teve alta de 0,20%, a 4.390,65 pontos.
 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO