Porto Alegre, sexta-feira, 07 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 07 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Negócios

- Publicada em 08h53min, 07/08/2020.

Pedidos de falência recuam 12,6% em julho, diz Boa Vista

As falências decretadas registraram alta de 16,8% na variação mensal

As falências decretadas registraram alta de 16,8% na variação mensal


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Os pedidos de falência no Brasil caíram 12,6% em julho, na comparação com junho, segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista. Mantida a base de comparação, os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas diminuíram 37,6% e 37,9%, respectivamente. Por outro lado, as falências decretadas registraram alta de 16,8% na variação mensal.
Os pedidos de falência no Brasil caíram 12,6% em julho, na comparação com junho, segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista. Mantida a base de comparação, os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas diminuíram 37,6% e 37,9%, respectivamente. Por outro lado, as falências decretadas registraram alta de 16,8% na variação mensal.
Na análise acumulada em 12 meses, os pedidos de recuperação judicial apresentaram alta de 31,4%, assim como as recuperações judiciais deferidas (30,1%). No mesmo sentido, os pedidos de falência subiram 28,3%. Já as falências decretadas recuaram 0,9%, mantida a base de comparação.
Apesar da redução dos pedidos de falência na avaliação mensal, ainda se observa um crescimento expressivo na análise acumulada em 12 meses, refletindo a dificuldade que as empresas estão encontrando para manter suas atividades.
Além disso, o aumento das falências decretadas em julho também mostra a fragilidade nos indicadores de solvência das companhias durante esse período mais agudo da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Segundo projeção da Boa Vista, o indicador deve voltar a apresentar melhores resultados de acordo com a retomada da atividade econômica nos próximos meses.
Comentários CORRIGIR TEXTO