Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indústria

- Publicada em 03h00min, 05/08/2020.

Montadoras de automóveis puxam a indústria em junho

Fabricação de carros e caminhões alavancou números industriais

Fabricação de carros e caminhões alavancou números industriais


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
Mais uma vez influenciada pela produção de carros e caminhões, a indústria brasileira voltou a esboçar uma retomada no mês de junho, com alta de 8,9% na comparação com maio, de acordo com o IBGE. Porém, o setor ainda está longe de retomar os 26,6% perdidos durante o avanço da Covid-19 no Brasil.
Mais uma vez influenciada pela produção de carros e caminhões, a indústria brasileira voltou a esboçar uma retomada no mês de junho, com alta de 8,9% na comparação com maio, de acordo com o IBGE. Porém, o setor ainda está longe de retomar os 26,6% perdidos durante o avanço da Covid-19 no Brasil.
A retomada gradual das atividades - principalmente no segmento automobilístico - em meio à pandemia da Covid-19 já havia feito a produção industrial do Brasil iniciar recuperação em maio, com crescimento de 8,2% em relação a abril. Os dois últimos meses juntos, contudo, não conseguiram resgatar todas as perdas na pandemia, segundo o IBGE.
De acordo com o gerente da pesquisa, André Macedo, embora tenha crescido bastante, com expansão de 17,9% nos meses de maio e junho, a produção industrial ainda está longe de eliminar a perda concentrada nos meses de março e de abril. "O saldo negativo desses quatro meses é bastante relevante (-13,5%)", disse.
Em abril, considerado o fundo do poço da indústria até o momento, o registro negativo havia superado até a queda de 11% de maio de 2018, quando ocorreu a greve dos caminhoneiros. Porém, aquela produção foi reposta no mês seguinte, algo que não aconteceu agora, já que as medidas de isolamento social continuaram em maio.
O acumulado do primeiro semestre de 2020 registra um recuo de 10,9% na produção industrial. Em 12 meses, a queda foi de 5,6%, retração mais intensa desde dezembro de 2016, quando havia caído 6,4%. Em relação a junho de 2019, a indústria diminuiu 9%, oitavo resultado negativo seguido nessa comparação.
O IBGE apontou que o resultado positivo de junho foi influência do setor de veículos automotores, reboques e carrocerias, que avançou 70% em junho, puxado principalmente pela produção de carros e caminhões. "Esse segmento acumulou expansão de 495,2% em dois meses consecutivos de crescimento na produção", disse o gerente da pesquisa. Ele lembrou, porém, que o ramo está 53,7% abaixo do patamar de fevereiro, antes da pandemia.
O setor de outros equipamentos de transporte, que engloba as motocicletas, também se destacou em junho e cresceu 141,9%, após expansão positiva também no mês de maio (57%). Contudo, segundo André Macedo, esses avanços estão longe de superar as perdas observadas em março e abril. Os setores de Alimentos e Coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, por outro lado, caíram no mês de junho. O primeiro vinha de resultados positivos, enquanto o restante da indústria estava em queda, além de queda no açúcar, o que contribuiu para o resultado. Já o segundo mostrou um recuo natural depois de expansão de 16,3% em maio, segundo André Macedo. Entre as grandes categorias econômicas, todos os ramos tiveram registro positivo.
Bens de consumo duráveis (82,2%) e bens de capital (13,1%) foram para o segundo mês seguido de expansão na produção, com avanços de 287,4% e 47,3% desde maio. Mesmo assim, ainda bem abaixo de antes da pandemia (-40,1% e -27,1%, respectivamente).
As medidas restritivas causaram efeitos econômicos e intensificaram o aumento do desemprego no Brasil, que chegou a 12,9% no trimestre encerrado em maio, e contribuiu para que 7,8 milhões de posto de trabalho fossem perdidos. A população ocupada teve uma queda recorde de 8,3% na comparação com o trimestre anterior.
Comentários CORRIGIR TEXTO