Porto Alegre, sexta-feira, 31 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 31 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado financeiro

- Publicada em 14h03min, 31/07/2020.

Bolsas da Europa fecham em queda após contração recorde de PIB

Índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em baixa de 0,89%, a 356,33 pontos

Índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em baixa de 0,89%, a 356,33 pontos


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
As bolsas da Europa fecharam em forte queda nesta sexta-feira (31) após indicadores mostrarem o tamanho do estrago do coronavírus na economia. Em meio à divulgação de balanços corporativos mistos, o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em baixa de 0,89%, a 356,33 pontos, tendo perda de 2,98% na semana.
As bolsas da Europa fecharam em forte queda nesta sexta-feira (31) após indicadores mostrarem o tamanho do estrago do coronavírus na economia. Em meio à divulgação de balanços corporativos mistos, o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em baixa de 0,89%, a 356,33 pontos, tendo perda de 2,98% na semana.
Na Bolsa de Londres, o índice FTSE 100 terminou o pregão com recuo de 1,54%, a 5.897,76 pontos, com diminuição semanal de 3,69%. A ação da IAG, que controla a British Airways, despencou 9,00%, após a empresa anunciar que pretende levantar 2,75 bilhões de euros no mercado, para financiar o processo de recuperação da crise desencadeada pelo coronavírus.
Em Paris, o CAC 40 cedeu 1,43%, a 4.783,69 pontos, em nível 3,49% menor do que o verificado na sexta-feira passada. O papel da BNP Paribas teve variação negativa de 0,77%, embora o banco francês tenha superado expectativas de lucro e receita nos resultados trimestrais divulgados hoje.
Os negócios ficaram pressionados depois que a Eurostat, agência oficial de estatísticas da União Europeia, informou que o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro encolheu 12,1% no segundo trimestre de 2020 ante o primeiro, a mais acentuada contração desde o início da série histórica, em 1995.
Mais cedo, três países europeus haviam divulgado seus números econômicos. Na Itália, o PIB caiu 12,4% no mesmo intervalo, enquanto, na França, a perda foi de 13,8%. Já a economia espanhola registrou retração inédita de 18,5%. "Indicadores de sentimento apontam para uma melhora na atividade econômica, mas não para uma recuperação em V", explica o Rabobank.
Nesse cenário, o DAX, referência em Frankfurt, perdeu 0,54% hoje e 4,09% na semana, a 12.313,36 pontos. Em Milão, o FTSE MIB se desvalorizou 0,71%, a 19.091,93 pontos, com perda de 4,90% no acumulado das últimos cinco sessões.
Nas praças ibéricas, o Ibex 35, de Madri, recuou 1,70%, a 6.877,40 pontos - 5,72% menor do que há uma semana. Em Lisboa, o PSI 20 perdeu 0,22%, a 4.295,82 pontos, com baixa semanal de 4,37%.
Comentários CORRIGIR TEXTO