Porto Alegre, quarta-feira, 29 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 29 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado financeiro

Atualizada em 15h10min, 29/07/2020.

Ouro renova máxima histórica pelo 4º pregão consecutivo, com foco em Fed 'dovish'

Ouro com entrega para agosto encerrou com ganho de 0,45%, a US$ 1.953,4 a onça-troy

Ouro com entrega para agosto encerrou com ganho de 0,45%, a US$ 1.953,4 a onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Os contratos futuros do ouro fecharam o pregão desta quarta-feira (29) em alta, alcançando máxima histórica pelo 4º pregão consecutivo, com os investidores à espera da decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que deve manter o tom "dovish" (mais leve).
Os contratos futuros do ouro fecharam o pregão desta quarta-feira (29) em alta, alcançando máxima histórica pelo 4º pregão consecutivo, com os investidores à espera da decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que deve manter o tom "dovish" (mais leve).
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), a onça-troy do ouro com entrega para agosto encerrou com ganho de 0,45%, a US$ 1.953,4 a onça-troy, novo recorde histórica de fechamento. Durante o pregão, o metal precioso chegou a tocar os US$ 1960,0 por onça-troy. Nas três sessões anteriores, o metal também havia fechado em patamares recordes. Antes disso, o recorde de fechamento era o de 22 de agosto de 2011, quando encerrou a US$ 1.891,9 a onça-troy. A comparação é feita com base nos contratos mais líquidos.
"A rápida recuperação deixa claro que o mercado deseja elevar os preços", escreveu no início do pregão o analista de metais precisos Carsten Fritsch, do Commerzbank, em referência à pausa momentânea no rali do ouro ontem, que acabou não se concretizando. "Isso não é surpreendente, tendo em vista as injeções sem controle de liquidez pelos bancos centrais, taxas de juros próximas ou abaixo de zero, taxas de juros reais negativas praticamente em todos os lugares e um aumento sem precedentes da dívida", explica o profissional do banco alemão.
O recente rali do ouro foi impulsionado, em grande parte, pelas medidas sem precedentes tomadas pelo Fed para garantir liquidez no mercado. Hoje, às 15h (de Brasília), a instituição anuncia decisão de juros e deve manter a política monetária acomodatícia, o que também favorece o enfraquecimento do dólar e deixa o ouro mais atrativo para detentores de outras divisas.
O avanço da pandemia de Covid-19 por diversos países e as tensões entre Washington e Pequim também são monitorados.
Comentários CORRIGIR TEXTO