Porto Alegre, quarta-feira, 29 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 29 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

Atualizada em 09h55min, 29/07/2020.

Dólar tem manhã desvalorizada e acompanha cenário externo

Às 9h38min, o dólar à vista caía 0,32%, a R$ 5,13

Às 9h38min, o dólar à vista caía 0,32%, a R$ 5,13


FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O dólar opera em baixa nesta quarta-feira (29) acompanhando a tendência no exterior. Com a agenda local mais fraca, os investidores estão em compasso de espera pelo desfecho da reunião do Federal Reserve (15h), com coletiva do seu presidente, Jerome Powell (15h30min). A expectativa é de que a autoridade monetária reitere sua postura "dovish", dando continuidade os estímulos pelo tempo que perdurar a crise gerada pela pandemia de coronavírus.
O dólar opera em baixa nesta quarta-feira (29) acompanhando a tendência no exterior. Com a agenda local mais fraca, os investidores estão em compasso de espera pelo desfecho da reunião do Federal Reserve (15h), com coletiva do seu presidente, Jerome Powell (15h30min). A expectativa é de que a autoridade monetária reitere sua postura "dovish", dando continuidade os estímulos pelo tempo que perdurar a crise gerada pela pandemia de coronavírus.
Às 9h38min, o dólar à vista caía 0,32%, a R$ 5,1399, enquanto o dólar para agosto recuava 0,48%, a R$ 5,12553. No câmbio, a cotação do dólar à vista está igual ou levemente acima do valor do dólar futuro de agosto, em meio a rolagens de contratos nesta véspera de definição da Ptax referencial do fim de julho, na quinta-feira.
Jefferson Rugik, diretor da corretora Correparti, atribui a queda da moeda americana ao apetite dos investidores por ativos de risco, mesmo que de forma comedida. Para ele, os valores à vista e futuro estão bem próximos em função do final de mês e das rolagens de contratos no mercado futuro. Rugik comenta que o volume tem sido fraco nos negócios à vista, enquanto a movimentação no mercado futuro tem sido mais intensa.
Comentários CORRIGIR TEXTO