Porto Alegre, terça-feira, 28 de julho de 2020.
Dia do Agricultor .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 28 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado financeiro

Atualizada em 13h54min, 28/07/2020.

Maioria das bolsas da Europa fecha em baixa com coronavírus

Índice pan-europeu Stoxx 600 conseguiu encerrar em alta de 0,42%, a 367,68 pontos

Índice pan-europeu Stoxx 600 conseguiu encerrar em alta de 0,42%, a 367,68 pontos


MIGUEL MEDINA/AFP/JC
A maioria das bolsas da Europa fechou em queda nesta terça-feira (28) em um dia marcado pela aversão ao risco nos mercados financeiros globais, em meio aos temores de que uma segunda onda de casos de coronavírus pode estar surgindo no continente.
A maioria das bolsas da Europa fechou em queda nesta terça-feira (28) em um dia marcado pela aversão ao risco nos mercados financeiros globais, em meio aos temores de que uma segunda onda de casos de coronavírus pode estar surgindo no continente.
Mesmo assim, o índice pan-europeu Stoxx 600 conseguiu encerrar em alta de 0,42%, a 367,68 pontos.
O índice FTSE 100, referência na bolsa de Londres, terminou o pregão com alta de alta de 0,40%, a 6.129,26 pontos. Os ganhos foram possibilitados pela expectativa de que o governo britânico implemente novas medidas de estímulos à economia.
O jornal Financial Times informou que a administração do primeiro-ministro Boris Johnson estuda estender um programa de empréstimos para a compra de imóveis.
Em Madri, o Ibex 35 também contrariou o tom pessimista ao redor do mundo e avançou 1,06%, a 7.246,40 pontos. Por lá, um processo de correção imperou nos negócios, um dia após o índice ter queda superior a 1%, com anúncio do Reino Unido de que passará a impor quarentena de 14 de dias de viajantes vindos da Espanha.
O bloqueio acontece enquanto os espanhóis observam preocupante tendência ascendente na curva epidemiológica da covid-19. Entre ontem e hoje, o país registrou 6,3 mil diagnósticos da doença, maior avanço diário desde 4 de abril, quando o momento mais crítico da epidemia começava a arrefecer.
Londres informou hoje que poderá tomar a mesma medida em relação à França e à Alemanha, que também têm enfrentado alta no volume de registros.
Nesse cenário, o DAX, de Frankfurt, perdeu 0,03%, a 12.835,28, enquanto o CAC 40, de Paris, cedeu 0,22%, a 4.928,94 pontos.
No mercado francês, a ação da Air France caiu 0,77%, com incertezas sobre a retomada do turismo.
Em Milão, o FTSE MIB perdeu 0,59%, 19.902,63 pontos.
Já em Lisboa, o PSI 20 teve baixa de 1,01%, a 4.407,40 pontos.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO