Porto Alegre, sexta-feira, 24 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 24 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

Atualizada em 10h07min, 24/07/2020.

Dólar abre em alta com tensões EUA-China, mas passa a cair ante real e seus pares

Na mínimas, por volta das 9h45min, o dólar à vista caía a R$ 5,18

Na mínimas, por volta das 9h45min, o dólar à vista caía a R$ 5,18


FREEPIK/REPRODUÇÃO/JC
O dólar passou a cair no mercado doméstico nesta sexta-feira (24), acompanhando a perda de força do índice DXY do dólar e também da moeda americana frente os pares emergentes do real, como os pesos mexicano, chileno e argentino, diz Jefferson Rugik, CEO da corretora Correparti. Os investidores ajustam posições, após a valorização de ontem e também na abertura desta sexta da moeda americana ante o real e seus pares emergentes, na esteira do aumento das tensões entre EUA e China.
O dólar passou a cair no mercado doméstico nesta sexta-feira (24), acompanhando a perda de força do índice DXY do dólar e também da moeda americana frente os pares emergentes do real, como os pesos mexicano, chileno e argentino, diz Jefferson Rugik, CEO da corretora Correparti. Os investidores ajustam posições, após a valorização de ontem e também na abertura desta sexta da moeda americana ante o real e seus pares emergentes, na esteira do aumento das tensões entre EUA e China.
Na mínimas, por volta das 9h45min, o dólar à vista caía a R$ 5,1885 (-0,49%), após subir à máxima de R$ 5,2420 (+0,54%) nos primeiros negócios. O dólar futuro para agosto cedeu até R$ 5,1895 (-0,45%), ante máxima mais cedo a R$ 5,2430 (+0,58%).
A pressão de alta nos primeiros negócios refletiu preocupações com a retomada global, após o governo chinês ordenar o fechamento do consulado dos EUA em Chengdu em 72 horas, em retaliação à decisão de Washington de fechar o consulado chinês em Houston (Texas).
Além disso, o presidente dos EUA, Donald Trump, minimizou ontem a importância do pacto comercial selado entre os dois países no dia 15 de janeiro deste ano e voltou a responsabilizar a China pela pandemia de coronavírus.
Comentários CORRIGIR TEXTO