Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 09h57min, 21/07/2020. Atualizada em 10h02min, 21/07/2020.

Dólar recua em linha com exterior após aprovação de fundo europeu

Moeda americana opera desvalorizada

Moeda americana opera desvalorizada


FREEPIK/REPRODUÇÃO/JC
O dólar segue em baixa no mercado doméstico nesta terça-feira (21) e alinhado à queda predominante no exterior. Os investidores ajustam posições, após o acordo entre líderes da União Europeia em torno de um pacote de gastos de 1,8 trilhão de euros (US$ 2,06 trilhões) para conter a crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus. Há expectativas também pela entrega pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, prevista para as 14h30min, da proposta do governo para a reforma tributária ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). A agenda econômica esvaziada tende a continuar limitando o volume de negócios. Às 9h40min desta terça, o dólar à vista caía 1,62%, a R$ 5,2553. O dólar futuro para agosto recuava 1,06%, a R$ 5,2835.
O dólar segue em baixa no mercado doméstico nesta terça-feira (21) e alinhado à queda predominante no exterior. Os investidores ajustam posições, após o acordo entre líderes da União Europeia em torno de um pacote de gastos de 1,8 trilhão de euros (US$ 2,06 trilhões) para conter a crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus. Há expectativas também pela entrega pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, prevista para as 14h30min, da proposta do governo para a reforma tributária ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). A agenda econômica esvaziada tende a continuar limitando o volume de negócios. Às 9h40min desta terça, o dólar à vista caía 1,62%, a R$ 5,2553. O dólar futuro para agosto recuava 1,06%, a R$ 5,2835.
Ainda que não acreditem na aprovação da reforma neste ano, as últimas informações mais positivas sobre esse tema têm proporcionado sinalizações favoráveis do mundo político para os investidores, apontando para melhora do diálogo entre Executivo e Legislativo Nacional", afirmam os economistas da Renascença Corretora em análise para clientes.
Também nesta terça a Câmara agendou a votação em plenário, à tarde, da Proposta de Emenda à Constituição do novo Fundo de Desenvolvimento e Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). O Fundeb é um dos principais mecanismos de financiamento da educação no País. Mas o governo ainda trabalha para adiar essa data. O Ministério da Economia quer apresentar até quarta-feira (22) uma proposta de revisão em benefícios tributários para compensar os gastos maiores com o Fundeb e, para isso, deseja segurar até lá a votação. O argumento é que é preciso obter fontes de recursos para bancar o aumento nos repasses a Estados e municípios.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO