Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

tecnologia

- Publicada em 19h02min, 20/07/2020. Atualizada em 19h08min, 20/07/2020.

Senadores gaúchos cobram posição sobre futuro da Ceitec em reunião com ministro

 Líderes cobraram postura do governo federal contra o fechamento da fabricante de chips

Líderes cobraram postura do governo federal contra o fechamento da fabricante de chips


MARCO QUINTANA/ARQUIVO/JC
O futuro do Ceitec foi tema de reunião virtual nesta segunda-feira (20) entre senadores gaúchos e o ministro de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes. Lasier Martins (Podemos), Paulo Paim (PT) e Luís Carlos Heinze (PP), além do deputado federal Henrique Fontana (PT), representando a Câmara, e o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ernani Polo (PP) cobraram postura do governo federal contra o fechamento da fabricante de chips.
O futuro do Ceitec foi tema de reunião virtual nesta segunda-feira (20) entre senadores gaúchos e o ministro de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes. Lasier Martins (Podemos), Paulo Paim (PT) e Luís Carlos Heinze (PP), além do deputado federal Henrique Fontana (PT), representando a Câmara, e o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ernani Polo (PP) cobraram postura do governo federal contra o fechamento da fabricante de chips.
 
Para Lasier Martins, o governo mostra-se contraditório ao defender investimentos em alta tecnologia e ao mesmo tempo propor a liquidação da instituição sediada em Porto Alegre. A intenção está no novo plano de concessões de infraestrutura e de privatização dentro do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). 
Ao final da reunião, Paim sugeriu a formação de uma reunião das bancadas gaúchas para pressionar ainda mais o governo federal. O ministro Pontes não deu garantia de que vai defender a reivindicação dos senadores.
Comentários CORRIGIR TEXTO