Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 14h11min, 14/07/2020. Alterada em 14h10min, 14/07/2020.

Bolsas da Europa fecham em queda, com indicadores e temor por Covid

Índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 0,84% nesta terça-feira

Índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 0,84% nesta terça-feira


MIGUEL MEDINA/AFP/JC
A maioria das bolsas da Europa fechou o pregão desta terça-feira (14) em queda, após indicadores econômicos da região divulgados hoje terem ficado abaixo do previsto por analistas. Além disso, as preocupações com o avanço da Covid-19 nos Estados Unidos e com novas restrições como as impostas ontem pela Califórnia ontem também pressionaram o mercado acionário do Velho Continente, em dia de balanços do setor bancário americano. Com isso, o índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 0,84%, a 367,40 pontos.
A maioria das bolsas da Europa fechou o pregão desta terça-feira (14) em queda, após indicadores econômicos da região divulgados hoje terem ficado abaixo do previsto por analistas. Além disso, as preocupações com o avanço da Covid-19 nos Estados Unidos e com novas restrições como as impostas ontem pela Califórnia ontem também pressionaram o mercado acionário do Velho Continente, em dia de balanços do setor bancário americano. Com isso, o índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 0,84%, a 367,40 pontos.
"Os dealers ainda estão preocupados com a taxa pela qual o vírus está se espalhando nos EUA e vendo que algumas restrições estão sendo reintroduzidas, o que também está aumentando a tendência de baixa no mercado acionário", avalia o analista David Madden, da CMC Markets.
Dados de atividade também pesaram no sentimento do mercado hoje. A produção industrial do Reino Unido, por exemplo, subiu 6% em maio ante abril, mas analistas esperavam uma alta de 7,5%. Na zona do euro, o mesmo indicador avançou 12,4%, em igual período e base de comparação, enquanto a previsão era de uma alta de 13,2%.
Além disso, tensões entre Washington e Pequim geram temor nos investidores. Hoje, a China anunciou que irá impor sanções à empresa americana aeroespacial Lockheed Martin. Já o governo britânico decidiu impedir que empresas de telecomunicações comprem novos equipamentos 5G fabricados pela chinesa Huawei, após pressão dos EUA.
O mercado acompanhou, ainda, o início da temporada de balanços nos EUA, com resultados trimestrais de JPMorgan, Citigroup, Wells Fargo e Delta Airlines.
Na Bolsa de Londres, o índice FTSE 100 fechou em leve alta de 0,06%, a 6.179,75 pontos. Em Frankfurt, o índice DAX caiu 0,80%, a 12.697,36 pontos. Na Bolsa de Paris, o índice CAC 40 cedeu 0,96%, a 5.007,46 pontos.
O índice FTSE MIB, da Bolsa de Milão, recuou 0,62%, a 19.879,75 pontos. Em Madri, o índice IBEX-35 fechou com perdas de 1,01%, a 7.352,00 pontos. Já em Lisboa, o índice PSI 20 caiu 0,51%, a 4.450,10 pontos. (COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES)
 
Comentários CORRIGIR TEXTO