Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 09h58min, 14/07/2020. Alterada em 09h59min, 14/07/2020.

Dólar cai com balança chinesa, mas desacelera ajuste com piora do petróleo

Dólar à vista subia 0,09%, a R$ 5,39

Dólar à vista subia 0,09%, a R$ 5,39


MARCELLO CASAL JR/ABR /JC
O dólar opera em oscilação no mercado doméstico nesta terça-feira (14), após ter subido mais de 1% ontem, guiado pela desvalorização predominante no exterior em relação a divisas principais e emergentes ligadas a commodities. Investidores se animam com os dados da balança comercial chinesa melhores que o esperado em junho, que reforçam os sinais de retomada econômica na China.
O dólar opera em oscilação no mercado doméstico nesta terça-feira (14), após ter subido mais de 1% ontem, guiado pela desvalorização predominante no exterior em relação a divisas principais e emergentes ligadas a commodities. Investidores se animam com os dados da balança comercial chinesa melhores que o esperado em junho, que reforçam os sinais de retomada econômica na China.
Às 9h42min desta terça, o dólar à vista subia 0,09%, a R$ 5,3932. O dólar futuro para agosto cedia 0,42%, a R$ 5,3850. O índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) de maio veio pior que o esperado.
Mais cedo, a moeda americana desacelerou a queda ante o real, reagindo a uma piora do petróleo depois que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) previu que a demanda pelo óleo em 2021 ainda estará abaixo do nível pré-crise, apesar da tendência de recuperação da economia global
Comentários CORRIGIR TEXTO