Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 11h02min, 10/07/2020.

CNI: confiança dos empresários da indústria melhora pelo 3ª mês seguido em julho

Após bater no fundo do poço em abril, a confiança dos empresários industriais melhorou pelo terceiro mês consecutivo em julho, de acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Os dados revelam ainda que já há certo otimismo no setor para os próximos meses.
Após bater no fundo do poço em abril, a confiança dos empresários industriais melhorou pelo terceiro mês consecutivo em julho, de acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Os dados revelam ainda que já há certo otimismo no setor para os próximos meses.
No auge da pandemia de covid-19, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) despencou de 60,3 pontos em março para 34,5 pontos em abril. Após o tombo histórico, o indicador patinou para 34,7 pontos em maio, subiu para 41,2 pontos em junho e chegou agora aos 47,6 pontos.
O resultado, no entanto, ainda está abaixo da linha divisória dos 50 pontos que passaria a sinalizar o retorno da confiança por parte dos executivos da indústria. "Tal resultado é determinado pela situação econômica atual. As expectativas com relação aos próximos seis meses já são otimistas", destacou a CNI, no documento.
De fato, o componente do Icei que avalia as condições atuais da economia evoluiu de 27,7 pontos em junho para 34,5 pontos em julho, ainda muito distante da linha divisória dos 50 pontos - que marca o início dos resultados positivos nesta escala.
Já o componente do Icei que leva em conta as perspectivas dos empresários para os próximos seis meses passou de 47,9 pontos em junho para 54,1 pontos em julho, mostrando que os executivos da indústria deixaram a parte pessimista do gráfico e já enxergam um horizonte de melhoria para os negócios.
"O início da reabertura das atividades econômicas na maioria das cidades brasileiras tem alimentado as expectativas de recuperação da economia, embora a atividade industrial continue desacelerada", afirmou, em nota, o gerente-executivo de Economia da CNI, Renato da Fonseca.
De acordo com a CNI, foram entrevistados executivos 1.331 empresas entre os dias 1 e 7 deste mês, sendo 529 firmas pequeno porte, 503 médio porte e 299 de grande porte.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO