Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 10h14min, 10/07/2020. Atualizada em 10h14min, 10/07/2020.

Dólar opera valorizado com exterior positivo

Moeda no mercado à vista subia 0,26%, cotada a R$5,35

Moeda no mercado à vista subia 0,26%, cotada a R$5,35


FREEPIK/REPRODUÇÃO/JC
O dólar opera em alta nesta sexta-feira (10), acompanhando a valorização ante moedas emergentes pares do real por causa da cautela com aumento recorde de casos de coronavírus nos Estados Unidos. A inflação ao produtor norte-americana (PPI) caiu 0,2% em junho ante maio, contrariando previsão de alta de 0,4%.
O dólar opera em alta nesta sexta-feira (10), acompanhando a valorização ante moedas emergentes pares do real por causa da cautela com aumento recorde de casos de coronavírus nos Estados Unidos. A inflação ao produtor norte-americana (PPI) caiu 0,2% em junho ante maio, contrariando previsão de alta de 0,4%.
O mercado também avalia a Pnad Covid. A população ocupada somou 84 milhões na semana de 14 a 20 de junho e a desocupada, 11,8 milhões no mesmo período, de acordo com o IBGE. Às 9h55min, o dólar à vista subia 0,26%, a R$ 5,3551. O dólar futuro para agosto ganhava 0,47%, a R$ 5,3750.
A inflação abaixo da mediana das estimativas do mercado financeiro pelo IPCA de junho e o desempenho ruim dos serviços em maio são monitorados pelos agentes de câmbio. O resultado dos serviços ameaça a perspectiva de retomada na saída da crise da Covid-19.
Segundo o IBGE, o IPCA subiu 0,26%, ante um recuo de 0,38% em maio. No caso dos serviços, o volume prestado caiu 0,9%, contrariando as expectativas, de alta, de 2,90% a 10%. Diante dos dados, o mercado aumenta levemente apostas em corte da Selic no próximo Copom, contudo, a chance majoritária ainda é de manutenção do juro básico. Havia 32% de chance de corte embutida na curva a termo no começo desta manhã, contra 28% ontem, nos cálculos do economista-chefe do Haitong, Flávio Serrano.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO