Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Conjuntura

- Publicada em 10h06min, 10/07/2020. Atualizada em 10h27min, 10/07/2020.

Inflação sobe 0,26% em junho depois de dois meses com deflação, revela IBGE

Alta nos preços dos combustíveis chegou nas bombas e impactou o consumidor final

Alta nos preços dos combustíveis chegou nas bombas e impactou o consumidor final


MARCELO G. RIBEIRO/arquivo/JC
Após dois meses com deflação, os preços voltaram a subir no Brasil em junho. A inflação teve alta de 0,26% no período, pressionada principalmente por combustíveis e alimentos. O dado foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (10).
Após dois meses com deflação, os preços voltaram a subir no Brasil em junho. A inflação teve alta de 0,26% no período, pressionada principalmente por combustíveis e alimentos. O dado foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (10).
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é considerado indicador de inflação oficial do país. No ano, os preços subiram 0,10%. No acumulado de 12 meses, o índice é de 2,13%, abaixo do piso da meta estabelecida pelo governo para 2020 de 4%, com tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Em maio, a deflação foi de 0,38%, menor resultado para o mês desde o início da série histórica, iniciada em 1980. Em abril, os preços caíram 0,31%.
"Houve uma alta nos preços dos combustíveis que chegou nas bombas e impactou o consumidor final. Isso alterou o grupo de Transportes e influenciou no IPCA", detalha Pedro Kislanov, gerente da pesquisa. Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, sete apresentaram alta no mês. Os preços dos combustíveis aumentaram 3,37% em junho, contra redução de 4,56% em maio.
O grupo com maior impacto na inflação foi o de alimentação e bebidas, com alta de 0,38%. Segundo o IBGE, alimentos tiveram uma sequência de alta nos últimos meses, por conta do aumento da demanda durante a pandemia da Covid-19.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO