Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 03h00min, 10/07/2020.

Investidores estrangeiros cobram ação contra o desmatamento

Governo federal planeja medidas para tentar conter insatisfação

Governo federal planeja medidas para tentar conter insatisfação


/ROMERIO CUNHA/VPR/JC
Após videoconferência com representantes de fundos de investimento do exterior que manifestaram preocupação com o avanço do desmatamento na Amazônia, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que os investidores esperam que o país apresente resultados na área de preservação ambiental. "Eles querem ver resultados e os resultados que podemos apresentar é que haja redução do desmatamento", afirmou.
Após videoconferência com representantes de fundos de investimento do exterior que manifestaram preocupação com o avanço do desmatamento na Amazônia, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que os investidores esperam que o país apresente resultados na área de preservação ambiental. "Eles querem ver resultados e os resultados que podemos apresentar é que haja redução do desmatamento", afirmou.
Os representantes desses fundos fazem parte de um grupo de administradores de recursos que, no final de junho, enviaram carta aberta a embaixadas brasileiras na Europa, Japão e Estados Unidos pedindo uma reunião para discutir desmatamento na Amazônia. A manifestação dos estrangeiros preocupou o Planalto, que passou a temer uma fuga de recursos do país diante a deterioração da imagem internacional do Brasil.
Mourão citou nesta quinta-feira que o governo trabalha com um planejamento até o final de 2022 para apresentar melhores resultados no combate ao desmatamento. "A ideia é que vamos ao longo do tempo, com a continuidade de operações repressivas e a entrada efetiva dos demais pilares que o ministro Ricardo Salles (do Meio Ambiente) colocou; que a ministra Tereza Cristina (da Agricultura) colocou sobre regularização fundiária e pagamento por serviços ambientais, que a gente vá pouco a pouco, para usar uma expressão gaúcha, arriconando os que cometem ilegalidades. Para que a gente chegue a um número de desmatamento que seja aceitável", declarou.
Mourão ressaltou que o Brasil tem 84% da Floresta Amazônica preservada e não precisa derrubar "nem uma árvore a mais". De acordo com o vice-presidente, foram retomadas conversas com dois grandes doadores do Fundo Amazônia, Noruega e Alemanha, e o Brasil aguarda uma resposta em relação às ações apresentadas para combate ao desmatamento. "Uma vez que consigamos apresentar dados consistentes, os recursos serão novamente abertos a projetos para a Amazônia. Não há prazo, mas nossa visão é que, conseguindo apresentar no segundo semestre um resultado positivo em relação às queimadas, podemos dizer que estamos cumprindo nossa parte, agora podem cumprir a de vocês", acrescentou.
O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que também participou da reunião, pontuou que os grandes acordos comerciais concluídos ou em negociação, em especial os com a União Europeia e com a Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA), possuem cláusulas de preservação ambiental. "Estes acordos são vistos como um risco, como se fossem incentivar a degradação ambiental no Brasil", afirmou Araújo. Segundo ele, o governo procurou mostrar que os acordos têm regras e compromissos ligados à preservação.
Araújo pontuou ainda que os instrumentos citados nos acordos comerciais reafirmam o compromisso ambiental do governo com a Amazônia. De acordo com o ministro, o esforço do governo é para mostrar ao exterior qual é a realidade do Brasil. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, confirmou que o presidente Jair Bolsonaro deve assinar, na semana que vem, um decreto para suspender queimadas legais no Brasil por 120 dias. Também participaram da reunião virtual, os ministros Braga Netto (Casa Civil), Tereza Cristina (Agricultura) e Fábio Farias (Comunicações).

Governo escala relações públicas ambiental contra saída de investimentos

Na tentativa de diminuir o desgaste na imagem do Brasil, Jair Bolsonaro escalou empresas de relações públicas no exterior para fazer uma ofensiva de comunicação sobre veículos estrangeiros. A ideia é tentar evitar uma fuga de investidores estrangeiros diante do crescimento das queimadas.

Em junho, primeiro mês do período de seca, houve aumento de 18,5% no número de focos de incêndio em relação ao mesmo período de 2019. O movimento tem sido coordenado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) e visa tentar minimizar os dados causados à reputação do país diante do aumento do desmatamento na Amazônia.

A estratégia do Palácio do Planalto será municiar com peças de publicidade empresas de relações públicas nos Estados Unidos, na Europa e Ásia, com as quais a Apex mantém contratos. A ideia é que, a partir de agora, os escritórios internacionais priorizem a área ambiental. Segundo relatos, o presidente irá encomendar à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), conglomerado estatal de comunicação, campanhas publicitárias sobre o esforço do governo federal para reduzir as queimadas na Amazônia.

Os conteúdos produzidos serão distribuídos às empresas de relações públicas, que tentarão replicá-los em veículos de comunicação estrangeiros, sobretudo da União Europeia, onde o governo brasileiro identificou maior abalo da imagem do Brasil. A avaliação no governo é a de que a percepção no exterior é que a atual gestão não está comprometida com a preservação ambiental, o que hoje seria um entrave para a atração de investimentos e para a promoção de exportações. As empresas de relações públicas deverão divulgar medidas de proteção ambiental, fazer contatos com a imprensa estrangeira e difundir press-kits e comunicados a veículos de comunicação. Embora o presidente da Apex, Sergio Segovia, já tenha colocado a estrutura de relações públicas à disposição, o lançamento da estratégia ainda depende da articulação com o Ministério das Comunicações, responsável pela EBC. Além de uma ofensiva sobre a imprensa estrangeira, o Planalto também pretende explorar a temática ambiental em feiras e eventos internacionais nos quais o Brasil deverá ter participação.

Comentários CORRIGIR TEXTO