Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indústria

- Publicada em 12h38min, 08/07/2020. Atualizada em 12h42min, 08/07/2020.

Em maio, indústria gaúcha tem crescimento acima da média nacional

No acumulado em 2020 e na comparação com igual mês de 2019, o Estado acumula perdas

No acumulado em 2020 e na comparação com igual mês de 2019, o Estado acumula perdas


LUIZA PRADO/JC
Em maio de 2020, o desempenho da indústria em 12 dos 15 locais pesquisados teve taxas positivas na comparação com abril, na série com ajuste sazonal. A média nacional foi positiva - com aumento de 7% na produção. A indústria gaúcha apresentou crescimento superior - de 13,3% entre maio e abril de 2020. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM) Regional, divulgada nesta quarta-feira (8) pelo IBGE.
Em maio de 2020, o desempenho da indústria em 12 dos 15 locais pesquisados teve taxas positivas na comparação com abril, na série com ajuste sazonal. A média nacional foi positiva - com aumento de 7% na produção. A indústria gaúcha apresentou crescimento superior - de 13,3% entre maio e abril de 2020. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM) Regional, divulgada nesta quarta-feira (8) pelo IBGE.
O comportamento reflete, principalmente, o retorno à produção (mesmo que parcialmente) de unidades produtivas, após as interrupções geradas por efeito da pandemia de Covid-19. Os maiores avanços foram no Paraná (24,1%), em Pernambuco (20,5%) e no Amazonas (17,3%). Além do Rio Grande do Sul, a região Nordeste (12,7%) e os estados de São Paulo (10,6%) e Bahia (7,6%) também ficaram acima da média nacional.
Por outro lado, Espírito Santo (-7,8%) apontou o recuo mais elevado em maio de 2020, terceiro mês seguido de queda na produção, com perda de 30,9% nesse período. Ceará e Pará, ambos com redução de 0,8%, também registraram taxas negativas nesse mês.
O índice de média móvel trimestral mostrou queda de 8,0% no trimestre encerrado em maio de 2020 frente ao nível do mês anterior, após recuar 8,8% em abril último, mantendo, dessa forma, a trajetória predominantemente descendente iniciada em outubro de 2019. Dado o cenário de pandemia, as reduções de abril e de maio foram as mais acentuadas desde o início da série histórica.
Nesse quesito, 14 dos 15 locais pesquisados apontaram taxas negativas em maio, com destaque para o Ceará (-21,0%), o Amazonas (-18,5%), o Rio Grande do Sul (-11,6%), o Espírito Santo (-11,5%), a Região Nordeste (-10,6%), Santa Catarina (-10,2%), a Bahia (-8,6%) e São Paulo (-7,3%). Por outro lado, Goiás, com expansão de 0,8%, mostrou o único resultado positivo nesse mês.
Na comparação com igual mês do ano anterior, principalmente por causa da pandemia, o setor industrial recuou 21,9% em maio de 2020. Além do efeito-calendário negativo, já que maio de 2020 (20 dias) teve dois dias úteis a menos do que igual mês do ano anterior (22), observa-se a clara diminuição do ritmo da produção por conta da influência dos efeitos do isolamento social.
O Rio Grande do Sul foi o quinto estado com maior queda (-27,3%) quando se compara maio de 2020 com o mesmo mês de 2019. Apenas Goiás teve avanço (1,5%) no índice mensal de maio, impulsionado, em grande parte, pelo ramo de produtos alimentícios.
No acumulado do ano frente a igual período de 2019, houve redução em 13 dos 15 locais pesquisados. O indicador gaúcho acompanhou os dos demais estados brasileiros e apresentou recuo de 16,6% na produção.
O acumulado nos últimos 12 meses, ao registrar redução de 5,4% em maio de 2020, marcou o recuo mais elevado desde dezembro de 2016 (-6,4%) e permaneceu com o aumento na intensidade de perda frente aos resultados dos meses anteriores. No Rio Grande do Sul houve queda de -3,7% para -7,7%.
Comentários CORRIGIR TEXTO