Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indústria

Notícia da edição impressa de 03/07/2020. Alterada em 03/07 às 17h16min

CMPC aporta R$ 40 milhões em parada de manutenção

Paralisação em Guaíba deve durar 10 dias e envolverá 2,5 mil pessoas

Paralisação em Guaíba deve durar 10 dias e envolverá 2,5 mil pessoas


/CMPC/DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein
A parada geral de manutenção da linha 2 da planta de celulose da CMPC em Guaíba está prevista para ocorrer na segunda quinzena de julho. A empresa investirá mais de R$ 40 milhões na compra de materiais e na contratação de serviços para a realização da iniciativa. Desse total, aproximadamente 50% dos recursos ficarão com agentes que operam no Rio Grande do Sul e 15% no município de Guaíba.
A parada geral de manutenção ocorre em plantas industriais tendo como foco a realização de inspeções e testes nos equipamentos. A linha 2 da unidade gaúcha da CMPC tem capacidade para produzir até 1,5 milhão de toneladas por ano de celulose. Sua parada deve levar 10 dias e envolverá o trabalho de cerca de 2,5 mil pessoas durante o pico dos serviços.
Uma particularidade dessa próxima parada é que a medida acontece em meio à pandemia de coronavírus. A CMPC está adotando uma série de medidas dentro desse contexto para ir adiante com a operação. Todos os trabalhadores da parada geral irão realizar testes para Covid-19. A pessoa só poderá acessar a empresa se o resultado do exame for negativo. Para os colaboradores de outros estados serão feitos testes antes da viagem de seu local de origem e após sua chegada no Rio Grande do Sul. Sobre o impacto do coronavírus no mercado de celulose, o diretor-geral da CMPC no Brasil, Mauricio Harger, informa que no início da pandemia houve um aumento na demanda dos clientes que produzem papéis para higiene, limpeza e cuidados pessoais. "Já neste momento a demanda voltou ao normal", aponta. Harger diz que a expectativa é fechar o ano com um mercado estável comparado a 2019.
Nessa quinta-feira, o CEO da CMPC, Francisco Ruiz-Tagle, participou de uma videoconferência e destacou as metas globais de sustentabilidade do grupo e a necessidade de ser resiliente nessa nova realidade. "Não podemos esperar que os governos cuidem de todas as necessidades da sociedade" defende o executivo. O dirigente comenta que, por medidas de segurança, houve um aumento no número de pessoas trabalhando remotamente, algo que se mostrou bem-sucedido. Ele ressalta ainda que as empresas buscaram elevar o fornecimento local para garantir a cadeia de suprimentos das operações, ameaçada por restrições à importação de mercadorias por razões sanitárias.
Na área de sustentabilidade, Ruiz-Tagle lembra que, no ano passado, 69% do total de energia consumida pelo grupo CMPC foi proveniente de fontes renováveis. Até 2030, a companhia almeja reduzir em 50% a sua emissão de gases que contribuem para o efeito estufa, além de diminuir em 25% o uso de água por tonelada de produto fabricado até 2025. A empresa pretende também agregar mais 100 mil hectares de área de conservação até 2030.
Comentários CORRIGIR TEXTO

EXPEDIENTE

2020