Porto Alegre, domingo, 28 de junho de 2020.
Dia do Ministério Público Estadual.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 28 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

OBITUÁRIO

28/06/2020 - 18h33min. Alterada em 28/06 às 18h33min

Osório Furlan, um dos pioneiros da Sadia, morre aos 97 anos

O empresário Osório Furlan, pai do ex-ministro Luiz Fernando Furlan, morreu neste domingo (28), em São Paulo, aos 97 anos. Nascido em Caxias do Sul, ele foi um dos pioneiros da empresa de alimentos Sadia.
O empresário Osório Furlan, pai do ex-ministro Luiz Fernando Furlan, morreu neste domingo (28), em São Paulo, aos 97 anos. Nascido em Caxias do Sul, ele foi um dos pioneiros da empresa de alimentos Sadia.
Neto de imigrantes italianos, Furlan se tornou arrimo de família devido a uma doença do pai. Em 1944, já casado com Lucy Fontana Furlan, mudou-se para Concórdia (SC) para trabalhar com o sogro Attilio Fontana, na recém-inaugurada empresa Sadia, onde desempenhou múltiplas atividades e, aos 23 anos, assumiu a função de diretor-gerente.
No início da década de 1960, o empresário se afastou do dia a dia das fábrica e mudou-se para São Paulo, onde se concentrou na expansão do grupo no Brasil e no exterior. Sempre em busca de conhecimentos, aos 47 anos, estudou Direito junto com o filho Osório Henrique Furlan Júnior, tornando-se bacharel aos 50 anos.
Furlan era um leitor ávido, um hábito que cultivava desde criança por influência da mãe, Jacomina, também sua primeira professora. Do pai, Gotardo, herdou o espírito empreendedor, sua marca na trajetória de empresário. 
Furlan deixou a empresa em 2007, quando era vice-presidente do Conselho de Administração da Sadia. Dois anos depois, a companhia iniciou a operação de fusão coma Perdigão, que deu origem a BRF, uma das maiores empresas de alimentos do mundo.
O empresário foi sepultado neste domingo no Cemitério Morumbi, na capital paulista. Ele deixa a esposa Lucy, com quem foi casado por 76 anos, cinco filhos, Júnior, Luiz, Diva, Lucila e Leila, 11 netos e 18 bisnetos.
Comentários