Porto Alegre, sexta-feira, 26 de junho de 2020.
Dia Internacional de Combate às Drogas.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 26 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado financeiro

Alterada em 26/06 às 13h58min

Mesmo com fala de Lagarde, bolsas da Europa fecham em queda por Covid-19 nos EUA

Índice Stoxx 600 encerrou em baixa de 0,39%, a 358,32 pontos, com queda semanal de 1,95%

Índice Stoxx 600 encerrou em baixa de 0,39%, a 358,32 pontos, com queda semanal de 1,95%


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
A maior parte das bolsas da Europa fechou em queda nesta sexta-feira (26) em meio ao avanço do coronavírus nos Estados Unidos, que renovaram nesta quinta (25) recorde diário no número de diagnósticos da doença. Os índices acionários no continente até tentaram defender sinal positivo, com declarações otimistas da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, mas o sentimento do mercado piorou no final da manhã e o índice Stoxx 600 encerrou em baixa de 0,39%, a 358,32 pontos, com queda semanal de 1,95%.
A maior parte das bolsas da Europa fechou em queda nesta sexta-feira (26) em meio ao avanço do coronavírus nos Estados Unidos, que renovaram nesta quinta (25) recorde diário no número de diagnósticos da doença. Os índices acionários no continente até tentaram defender sinal positivo, com declarações otimistas da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, mas o sentimento do mercado piorou no final da manhã e o índice Stoxx 600 encerrou em baixa de 0,39%, a 358,32 pontos, com queda semanal de 1,95%.
A exceção ao movimento de perdas foi a Bolsa de Londres, onde o índice FTSE 100 terminou o dia com alta de 0,20%, a 6.159,30 pontos. Mesmo assim, na comparação semanal, o índice recuou 2,12%.
Pela manhã, Lagarde disse que acredita que o pior da crise já passou. O comentário ajudou a manter os negócios aquecidos por boa parte do pregão, mas o otimismo acabou não resistindo ao noticiário negativo do outro lado do Atlântico. A Universidade Johns Hopkinks informou hoje cedo que os Estados Unidos tiveram quase 40 mil casos confirmados de Covid-19 ontem, o maior avanço diário desde o início da pandemia.
No Texas, onde o sistema de saúde está sobrecarregado, o governador Greg Abbot paralisou o processo de relaxamento das medidas de distanciamento social e ordenou o fechamento de bares. Na avaliação da NatWest, o acelerado avanço da doença pode trazer uma série de problemas para os mercados: "O risco provavelmente ficará vulnerável se as restrições forem reimpostas", projeta.
Nesse cenário, o índice CAC, de Paris, caiu 0,18%, a 4.909,64 pontos, com baixa semanal de 1,40%. Já o FTSE MIB, de Milão, cedeu 0,57%, a 19.124,36 pontos, tendo registrado queda de 2,52% em relação à semana passada.
Em Frankfurt, o DAX perdeu 0,73% hoje e 1,96% na semana, a 12.089,39 pontos. A ação da Lufthansa caiu 6,23%, após a Ryanair ameaçar contestar na Justiça o pacote de socorro de 6 bilhões de euros do governo alemão à aérea.
Em Madri, o índice Ibex 35 recuou 1,26%, a 7.178,40 pontos. Já em Lisboa, o PSI 20 teve baixa de 0,33%, a 4.359,25 pontos.
 
Comentários