Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Agricultura

- Publicada em 12h31min, 26/06/2020. Alterada em 12h44min, 26/06/2020.

Combinação de frio e vento sudoeste deve afastar a nuvem de gafanhotos do RS

Frio e vento sudoeste desfavorecem o ingresso dos insetos no Estado

Frio e vento sudoeste desfavorecem o ingresso dos insetos no Estado


DARLENE SILVEIRA/SEAPDR/DIVULGAÇÃO/JC
As condições climáticas do Estado estão empurrando a nuvem de gafanhotos para fora do território gaúcho. Fiscais agropecuários da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) de municípios da fronteira oeste e noroeste do Estado seguem monitorando os insetos que se aproximam do Estado vindo da Argentina. Até a manhã desta sexta-feira (26), não foi registrada a ocorrência da praga nas áreas inspecionadas da região. 
As condições climáticas do Estado estão empurrando a nuvem de gafanhotos para fora do território gaúcho. Fiscais agropecuários da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) de municípios da fronteira oeste e noroeste do Estado seguem monitorando os insetos que se aproximam do Estado vindo da Argentina. Até a manhã desta sexta-feira (26), não foi registrada a ocorrência da praga nas áreas inspecionadas da região. 
O chefe da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal da Seapdr, Ricardo Felicetti, afirma que as condições climáticas são favoráveis (frio e vento sudoeste) para que os gafanhotos sigam outra rota que não para o Rio Grande do Sul. Mesmo assim, "ainda existe o risco e permanecemos em alerta”.
O fiscal estadual agropecuário Juliano Goulart Ritter, do município de Barra do Quaraí, que fica no extremo oeste do Rio Grande do Sul e faz fronteira com Argentina e Uruguai, explicou que nesta quinta-feira (25), o vento era sudoeste e estava acima de 15 quilômetros por hora. “Esse vento desfavorece o ingresso dos insetos e os empurra para longe do Estado. Por enquanto, os produtores gaúchos podem ficar tranquilos, porque não há ocorrência dos insetos no Estado e continuamos atentos”, afirma.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/06/24/206x137/1_gafa_jpg-9082630.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5ef3598309ed0', 'cd_midia':9082630, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/06/24/gafa_jpg-9082630.jpg', 'ds_midia': 'Nuvem de gafanhotos destruiu lavouras de trigo na Argentina', 'ds_midia_credi': 'Télam/Divulgação/JC', 'ds_midia_titlo': 'Nuvem de gafanhotos destruiu lavouras de trigo na Argentina', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '450', 'align': 'Left'}
A nuvem de gafanhotos já destruiu lavouras de trigo na Argentina. Foto: Télam/Divulgação/JC
De acordo com o secretário Covatti Filho,está sendo realizado trabalho em consonância com o Ministério da Agricultura para deixar o Estado preparado caso precise agir no controle da praga. “São medidas que permitem agilizar nossas ações de defesa vegetal e de controle", garante.
Segundo Felicetti, as ações de mobilização e vigilância com foco nos municípios estão sendo desenvolvidas desde o dia 22 de junho e devem continuar até a próxima semana. Até agora, os fiscais inspecionaram a linha de fronteira e visitaram prefeitos e secretários da agricultura dos municípios de São Nicolau, Porto Mauá, Alecrim Pirapó, Itaqui, Alegrete, São Borja e Porto Xavier.
Todos os municípios são localizados às margens do rio Uruguai. “Fomos muito bem recebidos e foi elogiada a ação da defesa agropecuária”, conta o também engenheiro agrônomo. A equipe foi, ainda, à prefeitura de Uruguaiana e em sindicatos e associações desses municípios. 
“A ação de vigilância e os monitoramentos permanecerão enquanto houver risco associado à presença dos gafanhotos nas proximidades do Estado”, garantiu Felicetti. Nesta quinta-feira (25) foi decretado estado de emergência fitossanitária nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.
Comentários CORRIGIR TEXTO