Porto Alegre, quinta-feira, 25 de junho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 25 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado financeiro

25/06/2020 - 14h25min. Alterada em 25/06 às 14h25min

Bolsas da Europa fecham em alta, com foco em dados, petróleo e BCE

Índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,72% nesta quinta-feira

Índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,72% nesta quinta-feira


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
As bolsas europeias fecharam com ganhos nesta quinta-feira (25) com investidores atentos a indicadores dos dois lados do Atlântico, ao movimento do petróleo e sua consequente influência em papéis do setor de energia e também na ata e em uma medida do Banco Central Europeu (BCE).
As bolsas europeias fecharam com ganhos nesta quinta-feira (25) com investidores atentos a indicadores dos dois lados do Atlântico, ao movimento do petróleo e sua consequente influência em papéis do setor de energia e também na ata e em uma medida do Banco Central Europeu (BCE).
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,72%, em 359,74 pontos.
Os mercados europeus tiveram abertura negativa, mas ganharam fôlego e passaram a subir após o BCE anunciar a criação de um instrumento de acordo de recompra (repo) para fornecer liquidez em euros a bancos centrais fora da zona do euro, em meio à crise da covid-19. O novo instrumento estará disponível até junho de 2021, informou o banco central.
Um tribunal alemão rejeitou nova queixa sobre o programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês) do BCE. Além disso, este banco central divulgou ata de sua última reunião de política monetária, renovando a prontidão dos dirigentes para adotar mais medidas, se necessário.
Para a Capital Economics, o BCE aproveitou a ata para dar um recado sobre a compra de ativos à Justiça alemã, mas a consultoria não descarta novos processos no país posteriormente sobre as medidas de estímulo e o papel do Bundesbank, o BC alemão, nelas.
Na agenda de indicadores, o índice GfK de confiança do consumidor alemão para julho subiu de -18,6 em junho a -9,6 em julho, quando analistas previam -15. Os índices alemães também foram apoiados por dados dos EUA, como o avanço acima do esperado nas encomendas de bens duráveis.
Entre setores, a ação da petroleira BP subiu 0,41% em Londres, Total avançou 0,80% em Paris e Iberdrola, 1,12% em Madri, em jornada positiva para o petróleo. Já no caso das ações em foco, Lufthansa subiu 7,08% em Frankfurt, após a notícia de que os acionistas da empresa concordariam com um pacote de ajuda de 9 bilhões de euros do governo alemão.
Executivo-chefe da empresa, Carsten Spohr previu "reestruturação pesada" à frente para a companhia aérea, que como todas do setor foi duramente abalada pela pandemia. Já Wirecard caiu 71,28%. A ação na verdade acabou suspensa pela Bolsa de Frankfurt e a companhia está entrando em processo de insolvência, após ter sido descoberta uma fraude bilionária nas contas dela.
Na Bolsa de Londres, o índice FTSE 100 fechou em alta de 0,38%, a 6.147,14 pontos.
Em Frankfurt, o índice DAX subiu 0,69%, a 12.177,87 pontos e, em Paris, o índice CAC-40 avançou 0,97%, a 4.918,58 pontos.
Na Bolsa de Milão, o índice FTSE MIB subiu 0,37%, a 19.234,75 pontos.
Em Madri, o índice IBEX 35 avançou 1,04%, para 7.270,30 pontos.
Em Lisboa, o índice PSI 20 teve alta de 0,04%, a 4.373,86 pontos.
* Com informações da Dow Jones Newswires
Comentários