Porto Alegre, quinta-feira, 25 de junho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 25 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

25/06/2020 - 08h09min. Alterada em 25/06 às 08h09min

Bolsas asiáticas fecham em baixa, influenciadas por múltiplos fatores negativos

Índice Nikkei caiu 1,22% em Tóquio a 22.259,79 pontos

Índice Nikkei caiu 1,22% em Tóquio a 22.259,79 pontos


Behrouz MEHRI/AFP/JC
As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam em baixa significativa nesta quinta-feira (25), reagindo a uma série de fatores negativos, que incluem o avanço do coronavírus em alguns países, em especial nos EUA, projeções econômicas pessimistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) e tensões comerciais entre americanos e europeus. Os mercados da China, Hong Kong e Taiwan não operaram devido a feriados.
As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam em baixa significativa nesta quinta-feira (25), reagindo a uma série de fatores negativos, que incluem o avanço do coronavírus em alguns países, em especial nos EUA, projeções econômicas pessimistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) e tensões comerciais entre americanos e europeus. Os mercados da China, Hong Kong e Taiwan não operaram devido a feriados.
O índice acionário japonês Nikkei caiu 1,22% em Tóquio a 22.259,79 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi sofreu queda mais expressiva em Seul, de 2,27%, a 2.112,37 pontos. Na últimas semanas, investidores vêm acompanhando a disseminação da Covid-19 nos EUA, que voltou a ganhar força em meio à reabertura da economia local.
Além disso, o governo americano ameaçou ontem impor tarifas adicionais a US$ 3,1 bilhões em exportações da União Europeia e do Reino Unido, como parte de uma longa disputa entre Washington e Bruxelas por causa de subsídios concedidos para a fabricação de aviões.
Para completar o quadro negativo, o FMI reduziu ontem sua previsão para o Produto Interno Bruto (PIB) global em 2020, de contração de 3% para um tombo de 4,9%, como resultado da crise do coronavírus.
Na Oceania, a bolsa australiana foi pressionada pelos mesmos fatores desfavoráveis, e o S&P/ASX 200 caiu 2,48% em Sydney, a 5.817,70 pontos, registrando seu pior desempenho em duas semanas.
Comentários