Porto Alegre, segunda-feira, 22 de junho de 2020.
Dia do Aeroviário.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 22 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Coronavírus

22/06/2020 - 10h31min. Alterada em 22/06 às 11h48min

Divergências nas regras para funcionamento de restaurantes preocupam setor

Novo decreto da prefeitura de Porto Alegre permite que os restaurantes atendam até 17h

Novo decreto da prefeitura de Porto Alegre permite que os restaurantes atendam até 17h


LUIZA PRADO/JC
Para a Associação de Bares e Restaurantes no Rio Grande do Sul (Abrasel/RS), as divergências entre o decreto municipal de Porto Alegre e as estabelecidas pelo governo do Estado, no modelo de distanciamento controlado para a bandeira vermelha, referente ao funcionamento dos restaurantes, gera insegurança em um cenário já difícil para o setor de alimentação fora do lar.
Para a Associação de Bares e Restaurantes no Rio Grande do Sul (Abrasel/RS), as divergências entre o decreto municipal de Porto Alegre e as estabelecidas pelo governo do Estado, no modelo de distanciamento controlado para a bandeira vermelha, referente ao funcionamento dos restaurantes, gera insegurança em um cenário já difícil para o setor de alimentação fora do lar.
“Hoje já estamos operando com todas as restrições que são essenciais para o funcionamento dos restaurantes. Desde o último decreto nos adaptamos ao novo horário e seguimos buscando alternativas para manter o setor ativo. Fechar em um momento como este, pode levar a uma segunda onda de encerramentos definitivos e a um grande número de demissões”, conta a presidente da Abrasel no RS, Maria Fernanda Tartoni.
Conforme a entidade, todos os restaurantes têm cumprido os protocolos obrigatórios e essenciais para o atendimento ao público e ainda redobraram as boas práticas que já eram tomadas antes da pandemia. Regras de distanciamento, capacidade reduzida, uso de máscara, álcool em gel para clientes e funcionários, limpezas frequentes, distanciamento de mesas, marcações no piso, são respeitadas desde sempre. “Cumprimos tudo para manter nosso cliente seguro, nossos funcionários saudáveis e o estabelecimento vivo”, reforça Maria Fernanda.
A presidente vê com preocupação as decisões que serão tomadas nas próximas horas, pois impactará fortemente o setor caso o decreto municipal não possa ser seguido: “É muito difícil para nós este cenário de incertezas. Sabemos o quanto a saúde é importante e norteadora das decisões futuras, mas precisamos buscar formas de garantir a sobrevivência dos negócios, pois muitos já fecharam as portas. Estamos fazendo o máximo para manter os negócios e garantir o emprego e a renda de milhares de pessoas, pontua.
A restrição de horário de funcionamento para as 17h é uma alternativa viável ao não fechamento. Segundo a entidade, não é a melhor opção pois muitos estabelecimentos tinham o jantar como uma forte demanda, mas hoje é principal possibilidade para o setor não falir por completo.
Já na bandeira vermelha do modelo adotado pelo governo do Estado, restaurantes, padarias e lanchonetes deixam de operar na modalidade presencial, ofertando serviços apenas por meio de tele-entrega, pegue e leve ou drive-thru.
A Abrasel no RS aguarda a atualização sobre as bandeiras e a confirmação de que o setor poderá funcionar a partir de terça-feira (23), seguindo o que foi estabelecido no novo decreto municipal.
Comentários