Porto Alegre, quarta-feira, 03 de junho de 2020.
Dia Mundial do Administrador de Pessoal.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 03 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 03/06 às 10h06min

Dólar recua com otimismo global, mas produção industrial tem queda recorde

Apesar do resultado negativo da indústria brasileira, moeda americana tem manhã de queda

Apesar do resultado negativo da indústria brasileira, moeda americana tem manhã de queda


RONNY HARTMANN/AFP/JC
O dólar segue em baixa nesta quarta-feira (3), após um viés de alta na abertura, enquanto o Ibovespa futuro sobe mais de 1%. Os ativos locais voltam a se colar ao apetite por risco em âmbito global, em meio à reabertura da economia, após a quarentena do Covid-19. Pesam ainda o sentimento de que o Banco Central deve bancar liquidez no mercado de câmbio e percepção de alívio do lado político.
O dólar segue em baixa nesta quarta-feira (3), após um viés de alta na abertura, enquanto o Ibovespa futuro sobe mais de 1%. Os ativos locais voltam a se colar ao apetite por risco em âmbito global, em meio à reabertura da economia, após a quarentena do Covid-19. Pesam ainda o sentimento de que o Banco Central deve bancar liquidez no mercado de câmbio e percepção de alívio do lado político.
Às 9h48min desta quarta, o dólar à vista caía 1,62%, R$ 5,1265. O dólar para julho recuava 1,27%, a R$ 5,1455. O Ibovespa Futuro subia 1,23%, aos 91.046,38 pontos.
Os investidores olham ainda a queda de 18,8% da produção industrial brasileira em abril revelada pelo IBGE, a maior da série histórica iniciada em 2002, e também recorde ante abril de 2019 (-18,8%). Ainda assim, veio melhor que a mediana das projeções do mercado (-31,7%). A produção industrial cai 8,2% no ano e recua 2,9% em 12 meses. O dado reforça apostas em novo corte de 0,75 ponto da taxa Selic, para 2,25% ao ano, no Copom deste mês.
Comentários