Porto Alegre, quarta-feira, 03 de junho de 2020.
Dia Mundial do Administrador de Pessoal.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 03 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Indústria

Alterada em 03/06 às 09h59min

Indústria no Brasil tem queda de 18,8% em abril, a pior da história

Na comparação com março deste ano, resultado, segundo o IBGE, foi o pior da história

Na comparação com março deste ano, resultado, segundo o IBGE, foi o pior da história


MICHAL JARMOLUK/DIVULGAÇÃO/JC
Folhapress
A pandemia da Covid-19 destruiu a produção industrial do Brasil no mês de abril, o primeiro que começou e terminou com medidas de isolamento social decretadas em todo o país.
A pandemia da Covid-19 destruiu a produção industrial do Brasil no mês de abril, o primeiro que começou e terminou com medidas de isolamento social decretadas em todo o país.
De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a queda de 18,8% na comparação com março -que já havia caído 9,1%- é a pior da história. Na comparação com abril do ano passado, os efeitos são ainda mais sentidos, com recuo de 27,2%. É o sexto resultado negativo nessa base de análise.
A projeção da Bloomberg era de 28,3% de retração com relação a março de 2020 e 36,1% de recuo na comparação com abril do ano passado. O registro negativo divulgado nesta quarta-feira (3) pelo IBGE superou a queda de 11% de maio de 2018, quando ocorreu a greve dos caminhoneiros. Porém, aquela produção foi reposta no mês seguinte, algo que não será visto agora, já que as medidas de isolamento social continuaram.
A queda foi generalizada e atingiu todas as categorias da pesquisa e a maioria dos ramos pesquisados. A principal influência negativa veio do setor automotivo. Em abril, 64 das 65 fábricas de automóveis no Brasil suspenderam suas operações no Brasil.
O primeiro óbito conhecido de Covid-19 no país ocorreu no dia 17 de março. A partir daí, com o avanço da doença, o país promoveu o isolamento social como forma de combater a pandemia. Em abril, os efeitos econômicos começaram a ser sentidos com mais intensidade, já que as medidas restritivas duraram do começo ao fim do mês.
Diante desse cenário, a Covid-19 intensificou o aumento do desemprego no Brasil, que chegou a 12,6% no trimestre encerrado em abril, e contribuiu para que 4,9 milhões de posto de trabalho fossem perdidos. A população ocupada teve uma queda recorde de 5,2% na comparação com o trimestre anterior.
Comentários