Porto Alegre, quinta-feira, 21 de maio de 2020.
Dia Mundial do Desenvolvimento Cultural.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 21 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado financeiro

Alterada em 21/05 às 16h22min

Ouro fecha em queda pressionado pela alta do dólar e menor procura por segurança

Ouro para agosto encerrou em alta de 1,62%

Ouro para agosto encerrou em alta de 1,62%


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Os contratos futuros de ouro registraram a primeira queda após três sessões, nesta quinta-feira (21) apesar da cautela no mercado acionário, que segundo analistas, também realizam lucros, hoje. Os investidores, aparentemente, estão preferindo a força do dólar ao metal precioso, fazendo os preços caírem.
Os contratos futuros de ouro registraram a primeira queda após três sessões, nesta quinta-feira (21) apesar da cautela no mercado acionário, que segundo analistas, também realizam lucros, hoje. Os investidores, aparentemente, estão preferindo a força do dólar ao metal precioso, fazendo os preços caírem.
Dados da econômicos na Europa e nos Estados Unidos, que surpreenderam positivamente o mercado, também ajudaram a reduzir a busca por segurança no ouro.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para agosto encerrou em alta de 1,62%, a US$ 1.736,90 a onça-troy.
Algumas melhoras em dados alguns econômicos deram força ao dólar, pressionando os preços do metal precioso. Segundo Naeem Aslam, analista de mercado da AvaTrade, números dos EUA e da Europa confirmam que "existe alguma gordura", de modo que os traders "começaram a obter algum lucro antes do fim de semana".
A queda no número de pedidos de auxílio-desemprego, menor do que era esperada pelos analistas de mercado, afastou uma busca maior por segurança, que costuma sustentar os contratos de ouro em meio à crise de Covid-19.
"O número de 2,4 milhões é terrível, mas, em meio a essa miséria, há alguma esperança: o número de pessoas que reclamam pedidos caiu pela sétima semana consecutiva", escreveram analistas da Wells Fargo, em relatório enviado a clientes.
*Com informações da Dow Jones Newswires.
Comentários