Porto Alegre, quinta-feira, 21 de maio de 2020.
Dia Mundial do Desenvolvimento Cultural.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 21 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

21/05/2020 - 08h04min. Alterada em 21/05 às 08h04min

Principais bolsas asiáticas fecham em baixa com tensões entre EUA e China

Investidores seguem atentos ao noticiário mundial sobre o novo coronavírus

Investidores seguem atentos ao noticiário mundial sobre o novo coronavírus


KAZUHIRO NOGI/AFP/JC
As principais bolsas asiáticas fecharam em baixa nesta quinta-feira (21), com investidores atentos ao noticiário sobre o coronavírus e receosos com persistentes tensões entre EUA e China.
As principais bolsas asiáticas fecharam em baixa nesta quinta-feira (21), com investidores atentos ao noticiário sobre o coronavírus e receosos com persistentes tensões entre EUA e China.
O índice japonês Nikkei caiu 0,21% em Tóquio hoje, a 20.552,31 pontos, pressionado por ações do setor ferroviário e ligadas a bens de consumo, enquanto na China continental, o Xangai Composto recuou 0,55%, a 2.867,92 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto teve queda de 0,95% a 1.788,64 pontos.
O apetite por risco é limitado pelo clima negativo entre EUA e China, após repetidas críticas do presidente americano, Donald Trump, pela forma como Pequim tem lidado com o coronavírus. Ontem, Trump voltou a culpar os chineses pela pandemia. "Foi a incompetência da China, e nada mais, que causou esse massacre em todo o mundo", afirmou o presidente em sua conta oficial no Twitter.
Embora vários países estejam gradualmente revertendo medidas de quarentena motivadas pela Covid-19, a doença continua se alastrando pelo mundo. O número global de casos de infecção por coronavírus ultrapassou a marca de 5 milhões e o total de mortes se aproxima de 330 mil, segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins.
Há expectativas também para a reunião legislativa anual da China, que começará nesta sexta-feira (22) e durante a qual o país poderá estabelecer metas de desempenho econômico e sinalizar mais medidas de estímulos numa tentativa de superar a crise provocada pela covid-19.
Em outras partes da Ásia, o Hang Seng caiu 0,49% em Hong Kong hoje, a 24.280,03 pontos, mas o Kospi subiu 0,44% em Seul, a 1.998,31 pontos, sustentado pela reabertura econômica na Coreia do Sul e em outras partes, e o Taiex registrou alta de 0,92% em Taiwan, a 11.008,31 pontos.
Na Oceania, a bolsa australiana ficou no vermelho, e o S&P/ASX 200 recuou 0,41% em Sydney, a 5.550,40 pontos. Relatos da mídia local de que a China poderá impor inspeções alfandegárias mais rígidas ao minério de ferro da Austrália pesaram nas gigantes do setor, como BHP, Rio Tinto e Fortescue, cujas ações caíram entre 0,6% e 2,2%.
Comentários