Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 18h19min, 20/05/2020. Alterada em 18h19min, 20/05/2020.

Dólar cai com otimismo no exterior e fecha no menor nível desde o dia 5

Com o petróleo subindo ao redor de 5%, o dólar chegou a cair mais em países produtores do óleo

Com o petróleo subindo ao redor de 5%, o dólar chegou a cair mais em países produtores do óleo


FREEPIK/REPRODUÇÃO/JC
Influenciado pelo mercado externo, o dólar voltou a cair e fechou a quarta-feira (20), no menor nível desde 5 de maio, quando terminou em R$ 5,59. O petróleo subiu forte nos Estados Unidos e Londres e ajudou a estimular a alta das bolsas ao redor do mundo, beneficiando também as moedas de emergentes. No mercado doméstico, profissionais de câmbio dizem que a queda hoje poderia ser ainda maior, não fosse o ambiente político no pano de fundo, com cautela sobre a possível divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril e depoimento na tarde de hoje do empresário Paulo Marinho na Polícia Federal do Rio.
Influenciado pelo mercado externo, o dólar voltou a cair e fechou a quarta-feira (20), no menor nível desde 5 de maio, quando terminou em R$ 5,59. O petróleo subiu forte nos Estados Unidos e Londres e ajudou a estimular a alta das bolsas ao redor do mundo, beneficiando também as moedas de emergentes. No mercado doméstico, profissionais de câmbio dizem que a queda hoje poderia ser ainda maior, não fosse o ambiente político no pano de fundo, com cautela sobre a possível divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril e depoimento na tarde de hoje do empresário Paulo Marinho na Polícia Federal do Rio.
Com o petróleo subindo ao redor de 5% - por conta de um compromisso da China com a Opep em trabalharem juntos para ajudar a estabilizar o mercado mundial da commodity - o dólar chegou a cair mais em países produtores do óleo. No México, recuou quase 3% e na Rússia cedeu 2%. No Brasil, o dólar à vista fechou em queda de 1,17%, a R$ 5,6890. A moeda americana não fechava abaixo de R$ 5,70 desde 5 de maio. No mercado futuro, o dólar para junho era negociado na casa dos R$ 5,69 no final da tarde de hoje.
A diretora em Nova York de estratégias de moedas da BK Asset Management, Kathy Lien, avalia que há uma sensação no mercado de que o pior da crise do coronavírus pode já ter ficado para trás, o que estimula a busca por ativos de risco, ajudando a enfraquecer o dólar globalmente. O petróleo em alta, países e mais estados americanos reabrindo atividades e bons resultados trimestrais das varejistas americanas Target e Lowe's contribuem para aumentar o otimismo dos agentes. Por isso, o dólar teve queda generalizada hoje, ante divisas fortes e emergentes.
Havia expectativa pela divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) nesta tarde. Mas o documento não trouxe maiores novidades em relação às declarações recentes do BC americano, mostrando preocupação com uma segunda onda de coronavírus e o mercado de trabalho americano, e teve impacto limitado nos mercados.
No Brasil, apesar da melhora do real esta semana, com o dólar acumulando queda de 2,70% em movimento guiado pelo setor externo, o economista-chefe da consultoria Capital Economics para mercados emergentes, William Jackson, avalia que a tendência é da moeda brasileira seguir enfraquecida no curto prazo. Eventual aumento do ruído político, por exemplo, causado pelo início da abertura de processo de impeachment contra Jair Bolsonaro, pode levar o dólar a rapidamente testar níveis acima de R$ 6,00.
A Capital Economics elevou a estimativa do dólar ao final de 2020 de R$ 4,70 para R$ 5,25. A consultoria hoje revisou sua projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e agora espera queda de 8% este ano, refletindo o efeito da disseminação mais rápida do coronavírus, que tem obrigado os governos estaduais a manterem a quarentena por mais tempo.
Comentários CORRIGIR TEXTO