Porto Alegre, quinta-feira, 21 de maio de 2020.
Dia Mundial do Desenvolvimento Cultural.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 21 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Trabalho

Notícia da edição impressa de 21/05/2020. Alterada em 21/05 às 03h00min

Relator recua no aumento de benefício a trabalhador

Com a resistência do governo em ampliar o programa que permite o corte de jornada e de salário, o relator da proposta, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), admite que sua ideia de elevar o benefício do trabalhador a até três salários-mínimos (R$ 3.135,00) deve ser suavizada. Ele deverá buscar, portanto, consenso em um patamar intermediário, provavelmente na faixa de 2,5 salários-mínimos (R$ 2.612,50). Hoje, o programa paga até o teto do seguro-desemprego (R$ 1.813,00). Ou seja, quando o salário é até esse valor, o governo repõe toda a perda salarial durante o período do corte de jornada ou de suspensão de contrato.
Com a resistência do governo em ampliar o programa que permite o corte de jornada e de salário, o relator da proposta, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), admite que sua ideia de elevar o benefício do trabalhador a até três salários-mínimos (R$ 3.135,00) deve ser suavizada. Ele deverá buscar, portanto, consenso em um patamar intermediário, provavelmente na faixa de 2,5 salários-mínimos (R$ 2.612,50). Hoje, o programa paga até o teto do seguro-desemprego (R$ 1.813,00). Ou seja, quando o salário é até esse valor, o governo repõe toda a perda salarial durante o período do corte de jornada ou de suspensão de contrato.
Ao elevar esse limite, o relator amplia a faixa salarial com compensação integral a ser pega pelo governo, expandindo as despesas públicas, apesar de o ministro Paulo Guedes (Economia) tentar evitar a explosão de aumento de gastos neste ano. Pelas regras em vigor, a estimativa é que o programa custe R$ 51 bilhões.
"Admito uma proposta intermediária (para a ampliação do benefício), mas o governo está intransigente", disse o deputado, diante da resistência da equipe econômica à ideia de subir o valor máximo para três salários-mínimos. A votação da MP trabalhista deve ocorrer apenas na próxima semana. Com o objetivo de evitar demissões em massa, Guedes lançou um programa para que patrões possam reduzir a jornada de funcionários, com corte proporcional no salário.
 
Comentários