Porto Alegre, quarta-feira, 20 de maio de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 20 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

20/05/2020 - 10h31min. Alterada em 20/05 às 10h30min

Dólar segue queda externa, mas reduz ajuste ante real e cautela sobre cloroquina

Dólar à vista bateu máxima a R$ 5,74

Dólar à vista bateu máxima a R$ 5,74


MARCELlO CASAL JR/ABR/JC
O dólar desacelerou a queda no mercado doméstico nesta quarta-feira, em meio à notícia de que o Ministério da Saúde adotou novo protocolo de uso da cloroquina contra Covid-19, desde os primeiros sinais da doença, contrariando orientações das autoridades médicas e científicas. O dólar à vista bateu máxima a R$ 5,7438 (-0,22).
O dólar desacelerou a queda no mercado doméstico nesta quarta-feira, em meio à notícia de que o Ministério da Saúde adotou novo protocolo de uso da cloroquina contra Covid-19, desde os primeiros sinais da doença, contrariando orientações das autoridades médicas e científicas. O dólar à vista bateu máxima a R$ 5,7438 (-0,22).
A queda ante o real segue apoiada no dólar fraco no exterior em meio à alta do petróleo e dos futuros das Bolsas em Nova Iorque. As mínimas do dólar ante o real, mais cedo, foram de R$ 5,7133 (-0,75%) e R$ 5,7150 (-0,83%), respectivamente.
Há expectativas ainda sobre a divulgação integral ou parcial do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril e sobre o depoimento hoje à tarde do empresário e suplente do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Paulo Marinho, à Polícia Federal no Rio de Janeiro.
Na agenda, mais cedo,o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) desacelerou a alta a 0,01% na segunda prévia de maio, após ter aumentado 1,00% na segunda leitura de abril. Um novo corte de até 0,75 ponto da Selic em junho já é esperado assim como forte contração da economia brasileira neste ano.
A B3 confirmou que o mercado terá funcionamento normal também amanhã e sexta-feira, quando a prefeitura de São Paulo antecipou feriados e decretou um dia de ponto facultativo, medida para tentar conter o avanço do coronavírus.
Às 9h48min, o dólar à vista recuava 0,25, a R$ 5,7408. O dólar futuro para junho caía a R$ 5,7430 (-0,35%). Mais cedo, no exterior, o BC chinês (PBoC) manteve inalterados seus juros de referência para empréstimos. Há expectativas ainda sobre a reunião anual do legislativo chinês, que começa na sexta-feira (22).
Comentários