Porto Alegre, quarta-feira, 20 de maio de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 20 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

benefício

Notícia da edição impressa de 20/05/2020. Alterada em 20/05 às 03h00min

Cerca de 2 milhões de pessoas ainda não retiraram auxílio emergencial

Pedro Guimarães diz que Caixa pretende evitar novas filas

Pedro Guimarães diz que Caixa pretende evitar novas filas


/MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL/JC
Cerca de 2 milhões de cidadãos com direito ao auxílio emergencial do governo federal ainda não sacaram os valores, segundo balanço divulgado nesta terça-feira pelo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães.
Cerca de 2 milhões de cidadãos com direito ao auxílio emergencial do governo federal ainda não sacaram os valores, segundo balanço divulgado nesta terça-feira pelo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães.
Do total de 50 milhões de brasileiros que atendem às regras para ter o auxílio de R$ 600,00, 96% já receberam seus recursos, segundo Guimarães, e 4% deles ainda não movimentaram o dinheiro, o que representa 2 milhões de trabalhadores.
Esses cidadãos têm um prazo de até 90 dias para sacar os valores, conforme regulamentação da lei 13.982, que instituiu o benefício. Caso não saquem o montante, a verba volta para o Tesouro Nacional. Segundo o Ministério da Cidadania, a medida cumpre o que diz o artigo 10 do decreto 10.316/2020.
O auxílio de R$ 600 é pago a trabalhadores informais, contribuintes individuais do INSS, MEIs (microempreendedores individuais), beneficiários do Bolsa Família e inscritos no CadÚnico que atendem a regras como ser maior de 18 anos, não ter renda formal, ter renda por pessoa da família de até R$ 522,50 ou renda familiar total de até R$ 3.135.
Nesta terça-feira, a Caixa deu início ao pagamento da primeira parcela do auxílio emergencial para beneficiários que se inscreveram no final de abril e para cidadãos que tiveram a primeira inscrição negada e se registraram de novo no aplicativo ou no site aplicativo.caixa.gov.br.
A verba foi liberada para nascidos em janeiro. O pagamento segue normalmente hoje, desta vez para nascidos em fevereiro, mesmo para os cidadãos da cidade de São Paulo, que terão um feriado adiantado conforme lei municipal para tentar conter a pandemia.
Em entrevista, Guimarães afirmou que as agências vão funcionar das 8h às 14h e que não haverá nenhuma alteração no calendário da Caixa, pois a meta é evitar as longas filas, como ocorreu anteriormente.
Nesta terça, balanço do banco mostra que 100 mil nascidos em janeiro foram atendidos até as 14h, para saque da primeira parcela, além disso, 700 mil beneficiários do Bolsa Família com NIS (Número de Identificação Social) com final 2 puderam retirar os valores, mas esses trabalhadores já estão recebendo a segunda parcela. Para quem tiver a primeira parcela apenas neste lote, o pagamento da segunda cota será feita somente no mês de junho, segundo a Caixa.
O prazo-limite para fazer o pedido do auxílio de R$ 600,00 é o dia 3 de julho.
Comentários